Eco geral, mamografias e tomografias são mais buscados. foto: arquivo Agência Brasil

Até dezembro de 2021 o programa Fim da Espera deve diminuir em mais de 80% a fila para realização de exames em Montenegro. Quando foi lançado pela Prefeitura 4.139 pessoas aguardavam para fazer algum tipo de exame. Desde então, a Secretaria Municipal da Saúde já agendou cerca de 3.500, que serão feitos até a final do ano. Outras 639 pessoas ainda aguardam agendamento, que devem acontecer até janeiro de 2022.

Os recursos para o programa somam R$ 1,25 milhão e foram obtidos junto à União, por meio de emendas ao orçamento federal. Quatro deputados colaboraram: Maurício Dziedricki (PTB) destinou R$ 600.000,00; Jerônimo Goergen (Progressistas) outros R$ 300.000,00; Carlos Gomes da Silva (Republicanos) R$ 200.000,00 e Liziane Bayer (PSB) outros R$ 150.000,00.

A secretária Municipal da Saúde, Cristina Reinheimer, se diz satisfeita com os resultados do programa. “Estamos entrando em contato com todas as pessoas da fila para verificar se ainda têm interesse. Nos casos positivos, encaminhamos para as clínicas contratadas”, explica. O ritmo dos atendimentos depende basicamente da agenda dos parceiros. “Agora, por exemplo, estamos agendando exames para realização em dezembro”, afirma.

Cristina ressalta que, por causa da demora, agravada fortemente pela pandemia do novo coronavírus desde março do ano passado, há um grande número de pessoas que desistiu dos exames. “Alguns pagaram particular e outros não apresentam mais os sintomas”, constata. Segundo o prefeito Gustavo Zanatta, mesmo os exames sendo uma responsabilidade do Estado, o Município decidiu arcar com os custos para aliviar a demanda da população. “A maior parte desses exames especializados deveria ser paga pelo Estado, mas não podemos deixar a nossa população sofrendo. Então, às vezes deixamos de fazer alguma obra para que não falte atendimento aos montenegrinos”, destaca chefe do Executivo.

Deixe seu comentário