DIESEL em Montenegro pode ser encontrado por R$ 3,24

Custo alto. Fim do subsídio do combustível joga o futuro do transporte na responsabilidade do novo Governo Federal

Com o fim do subsídio do governo no Diesel no último dia do ano, houve reajuste no preço do litro. O valor voltou ao patamar de antes da greve dos caminhoneiros, em maio do ano passado, e nestes primeiros dias do ano houve uma pequena elevação para as distribuidoras. Em postos de Montenegro o valor varia entre R$ 3,24 a R$ 3,59 (comum) e R$ 3,31 a R$ 3,60 (S-10).

O Sindicato Intermunicipal do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Estado do Rio Grande do Sul (Sulpetro) ressalta, no entanto, que o preço dos combustíveis é liberado. “O mercado é livre e competitivo em todos os segmentos, cabendo a cada posto revendedor decidir se irá repassar ou não ao consumidor os reajustes”, assinalou seu presidente, João Carlos Dal’Aqua.

Ele recordou ainda que os comerciantes também podem definir o percentual aplicado, de acordo com suas estruturas de custo. O Sindicato, entretanto, entende ser imprescindível manter a sociedade informada a respeito, para que a revenda não seja responsabilizada por alterações ocorridas em outras etapas da cadeia e que são apenas repassadas pelos postos.

Quanto ao novo Governo Federal que assumiu no dia 1º, a entidade espera que tenha atenção ao segmento. Uma das posturas aguardadas é que as discussões sejam feitas com maior participação. “Com menor viés punitivo, maior abertura de mercado e maior prestígio ao empreendedor”, defende Dal’Aqua.

Não há clima para ocorrer nova greve
Um dos líderes do movimento que parou a ERS-122 em São Sebastião do Caí, o caminhoneiro José Alexandre Flores, afirma que não há possibilidade de nova greve. Todavia, a classe acompanha a reação do governo Bolsonaro a respeito do tema.

Apesar do fim do subsídio, ele nega que tudo tenha voltado ao patamar de antes da greve de maio. Flores destacou conquistas permanentes como aumento nos valores de frete e desconto por eixo, além de defender que agora a categoria tem voz ativa junto ao Governo.

“Não ganhamos a guerra, mas saímos vitoriosos de uma batalha. Temos que aguardar um pouco pra não botarmos tudo a perder”, afirmou. Já em relação ao preço do Diesel, Flores explica que, pela tabela, deveria ser R$ 3 centavos, todavia alguns postos na região repassaram R$ 10 centavos.

Gasolina com menor preço em 15 meses
A Petrobras reduziu para R$ 1,4537 o valor cobrado pelo litro do combustível nas refinarias. O preço é o menor dos últimos 15 meses.
A última vez que o litro da gasolina foi vendido por menos de R$ 1,50 foi em setembro de 2017. A redução seria o resultado da “lua-de- mel” com o novo governo e do cenário internacional.

Os discursos dos novos ministros brasileiros foram o elemento gerador de calmaria no mercado financeiro, fazendo o dólar voltar ao patamar mais baixo e assim influenciando nos combustíveis.

Você Sabia?
Tanto o Diesel comum quanto o S-10 podem ser usados em camionetes e caminhões. A diferença é que o S-10 é um combustível mais qualificado, aditivado com químicos que melhoram o desempenho e limpam o motor.
Alguns modelos de veículos mais novos usam apenas o S-10.

Deixe seu comentário