A profª Ângela e a estudante de pedagogia Elen Trindade assistindo ao documentário com a turma de 4º ano

ATENÇÃO. Dia Nacional do Trânsito traz a tona debates e reflexões sobre segurança ao circular das vias urbanas e rurais.

O Dia Nacional do Trânsito é comemorado nesta quarta-feira, dia 25. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), a cada uma hora, cinco pessoas morrem por acidente no trânsito no Brasil. Em todo o Brasil, de acordo com o CFM, no ano de 2016, foram 37.345 óbitos por acidentes de transportes terrestres.

Somente no Rio Grande do Sul, segundo dados do DetranRS, contabilizadas 1.612 mortes no trânsito em 2018. “As rodovias respondem por 64% das ocorrências, seguidas das vias municipais, com 36%”, informa o órgão. Nas rodovias do Vale do Caí foram registradas, em 2018, 48 mortes, sendo que 65% das ocorrências foram em rodovias estaduais, 27% nas municipais e apenas 8% nas federais. Para mudar dados e conscientizar, escolas e órgãos públicos da região promovem trabalhos diversificados na sociedade.

Conscientizar de maneira séria
A professora do 4º ano de Ensino Fundamental da Escola Municipal de Ensino Fundamental Cinco de Maio, Ângela Vieira Gonçalves Martins montou um projeto de conscientização para trabalhar com os alunos. “Já está na hora de tratarmos de maneira mais séria. Mostrar para eles a realidade do que acontece no trânsito. Eles precisam ter essa consciência, porque os pais deles são motoristas e eles serão os futuros”, explica.

Uma das atividades proposta foi a exibição do documentário brasileiro Luto em Luta, que aborda assuntos relacionados ao tema. A saída de campo para observar as sinalizações em torno da escola levou os alunos a perceberem o que está certo e o que está errado no local.

Em sala de aula, o debate será em torno da “Educação e Punição”. Segundo Ângela, a proposta é conhecer as leis de trânsito do nosso país e refletir. Além disso, os pequenos irão levar uma entrevista para casa e discutir o tema com os pais.

Para fechar a programação, serão confeccionados panfletos conscientizando os pedestres e motoristas que passam pelo bairro em torno da escola, distribuídos pela própria turma. “Enquanto educadores, nós somos agentes de mostrar o que é certo e o que está acontecendo”, ressalta Ângela.

Atividades diferentes para a fixação
Na escola Escola Municipal de Ensino Fundamental José Pedro Steigleder, as professoras Silvana Schallenberger e Nara Lucia da Rosa e a supervisora Claudia Peris, prepararam exercícios dinâmicos para as turmas de todos os níveis. Atuantes no 3º, 4º e 5º ano, as professoras fizeram a turma observar os arredores da escola e analisar as atitudes no trânsito.

Atividades ao ar livre também fazem parte da programação

A idéia foi as crianças observarem a sinalização, faixas de segurança, semáforos, velocidade e atitudes dos motoristas. Sinalizadores serão confeccionados e distribuídos pela escola, além de desenhos do que foi observado na saída de campo.

Pensando no contato familiar, a supervisora Claudia Peris comenta que as crianças cobram dos pais. “Eles cobram da gente, parar na faixa de segurança e colocar o cinto. Eles absorvem muito mais”, explica.

Entre as diversas atividades, os alunos poderão jogar alguns jogos educacionais, elaborados pelo Detran, no laboratório da escola. Os jogos incentivam o reconhecimento de placas de trânsito e quebra-cabeças. “Tudo que possa facilitar a fixação”, explica Silvana.

Parcerias e ações diversas nas escolas
O Departamento de Transporte e Trânsito, através da Secretaria Municipal de Obras Públicas, também é um agente importante na conscientização. O diretor de trânsito, Airton de Vargas, comenta que o DTT promove palestras nas escolas sobre segurança entre os transportes terrestres. “Sempre que solicitado, nos fazemos presentes nas escolas”.
Por serem os multiplicadores destas informações, Vargas fala que o tema tem de ser debatido entre crianças e adolescentes que podem levar a outras pessoas o que foi aprendido. Entre os trabalhos promovidos para a comunidade, o DTT está implantando e revitalizando os circuitos de trânsito nas instituições de ensino. O diretor frisa que “As escolas que ainda não têm essa sinalização podem entrar em contato com a SMEC para o agendamento”. Em uma parceria, o DTT e a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC) promovem diversas atividades pedagógicas, incluindo produções artísticas, passeios, entre outras.
O coordenador pedagógico de projetos da SMEC, Cristiano Barreto Kochenborger, explica que a educação no trânsito deve ser definida como ação para desenvolvimento da capacidade de uso consciente das vias de trânsito. “As ações de Educação para o Trânsito, desenvolvidas na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, tem como principal meta proporcionar às crianças um processo de ensino-aprendizagem que lhes permita desenvolver a consciência da cidadania e da ética”, explica.

Deixe seu comentário