Cavalo foi enterrado na manhã de ontem por máquinas de responsabilidade da Prefeitura, segundo Odete

Animal já causava mau cheiro, que incomodava os vizinhos

A professora Odete Soares, moradora do bairro Imigração, esteve preocupada com a situação de um cavalo morto que não foi enterrado desde a última sexta-feira, 29, na esquina de sua casa. Ela entrou em contato não apenas com a Prefeitura Municipal, mas com a Brigada Militar, Amoga e com o Jornal Ibiá, a fim de resolver o problema de uma vez por todas.

Após reclamação de Odete, o outro animal, que sofre por maus tratos, ficou para ser buscado pela Amoga

“Segunda o cheiro estava insuportável, ele estava a ponto de explodir já”, ressalta a moradora, incomodada com o odor.
Após as solicitações da moradora, na manhã de terça-feira, 3, uma máquina da Prefeitura esteve no local e realizou o enterro do animal, resolvendo grande parte do problema.

Denúncia de maus tratos
A outra parte da reclamação de Odete e de sua secretária Kelly Costa se trata de um caso de maus tratos com outro equino, que permanecia amarrado no mesmo local do animal enterrado. “Ele está machucado. Liguei para a Brigada Militar e eles estiveram no local, nos aconselhando a entrar em contato coma órgãos como a Prefeitura”, explica a professora. Ela relata que assim o fez.

Entretanto, além disso, Kelly ainda contatou uma ONG de proteção aos animais, para realizar a denúncia sobre o caso. Após as reclamações delas, no entanto, um vizinho, o qual as mulheres preferiram não identificar, teria levado o animal para seu pátio.
Até o fechamento da edição, não obtivemos informações sobre a realização do resgate desse animal do local.

Deixe seu comentário