Rotomoldadora é capaz de fazer os mesmos moldes produzidos nas indústrias parceiras, porém em escala menor

O que há em comum entre um cone de sinalização, um caiaque e uma caixa d’água? São todos produtos plásticos feitos por sistema de rotomoldagem. Um número ainda maior de itens desse gênero poderá chegar ao nosso dia a dia em consequência do espaço de pesquisa e desenvolvimento apresentado ontem na Braskem, em Triunfo. Trata-se do laboratório de rotomoldagem, que exigiu investimento de R$ 1,7 milhão e é pioneiro no País.

Diretor comercial da Braskem, Renato Yoshino de Lima explica que o novo local vai permitir testar não apenas peças já criadas pelos clientes, mas dar origem a novos elementos e usos. “O mercado da rotomoldagem ainda é incipiente, mas vinha crescendo até 2014 [antes da recessão] a taxas médias de 10% ao ano. Para 2017, nós vislumbramos um cenário de crescimento”, analisa.

Fabiano Zanatta, gerente de contas na Braskem, relata que o mercado de rotomoldagem já representa 5% das vendas de polietileno da empresa. “Esse investimento em tecnologia mostra o compromisso da empresa com a cadeia de produção. Tanto os nossos processos quanto os dos nossos clientes ganharão eficiência”.

O laboratório é formado por maquinário semelhante ao das companhias que manufaturam peças rotomoldadas, porém em escala menor. “Nossa estrutura está aqui basicamente para servirmos aos clientes, para podermos ter uma interação melhor e entregarmos produtos da melhor qualidade a eles”, afirma o responsável pelo Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) da Braskem em Triunfo, Alessandro Cauduro.

Ontem, as novidades foram apresentadas a cerca de 80 pessoas ligadas aos maiores fabricantes de rotomoldagem do País — como Fortlev, Tigre, Amanco, Rotoplastic, Bakof e Xalingo — e outras indústrias.

Os convidados assistiram a um seminário técnico antes de iniciar a visita ao CTI. “O laboratório colocará em evidência o segmento da rotomoldagem, permitindo à Braskem posicionar-se como provedora de soluções técnicas para o mercado. Adicionalmente, vamos capacitar as equipes em um novo processo de produção”, acrescenta Eliomar Pimenta, engenheiro de aplicação da Braskem.

saiba mais
— Rotomoldagem é uma tecnologia de transformação plástica com capacidade de produzir peças de grande porte com custo competitivo comparado a outros materiais.
— O laboratório de rotomoldagem é um marco para a Braskem. Agora a empresa passa a ter uma estrutura própria destinada ao desenvolvimento de itens plásticos com aplicação em armazenamento de água, agronegócio, mobiliário, brinquedos e área náutica.

— A estrutura é equipada por uma rotomoldadora capaz de produzir peças que fornecem a quantidade necessária de corpos de prova para realização do ensaio de impacto em apenas um ciclo, tornando mais ágeis e precisos os processos de análises de especificações.

Também reúne um moinho para micronizar a resina e dois equipamentos de controle a para identificar a temperatura ideal do forno para o melhor desempenho produtivo das peças.

Deixe seu comentário