Serão seis salas de aula, mais áreas administrativas e de serviço, mas por enquanto há somente as paredes

Anunciada pela Administração Municipal há quase três anos, a espera pela entrega da Emei Centenário ganha mais um capitulo. De acordo com a Prefeitura Municipal de Montenegro, o contrato com a empresa responsável pela construção foi rescindido e uma nova licitação será feita. Sem opção, moradores lamentam a situação e cobram por mais agilidade e transparência no processo.

No total, a obra tem um investimento de R$ 1.403.607,20 de verba pública e teve início em setembro de 2016. O limite para conclusão era de 180 dias, com previsão para entrega em fevereiro de 2017. No entanto, até agora não há prazo de quando a escola poderá atender a demanda da comunidade, o que preocupa pessoas como a dona de casa Lena Costa, 32. Com duas crianças pequenas, ela conta que, para manter os filhos na creche, é preciso recorrer a outras escolas em bairros mais distantes.

“Se não tivesse nada aqui, uma construção que nos faz lembrar diariamente esse descaso, talvez não existisse tanta indignação. O problema é ter que passar quase todos os dias na frente e se deparar com essa obra que nunca é entregue”, desabafa a Lena. “A sensação que fica é que a população está sendo enganada de alguma forma e, enquanto isso, a maioria das pessoas que moram no bairro precisam se arriscar atravessando a faixa para levar os filhos na Escola Adolfo Schüler, no Panorama.”

Localizada na rua Vereador João Vicente, no bairro Centenário, a estrutura terá seis salas de aula, mais áreas administrativas e de serviço. “Existe demanda e urgência para a entrega da Emei”, disparou Letícia Santos, também moradora do bairro. “Falta mais transparência com a população, já que a única coisa que a gente sabe são as informações [atrasadas] que estão destacadas na placa instalada na frente da obra”, acrescentou a Letícia.

Essa não é a primeira vez que os impasses da entrega da obra da Emei Centenário ganha destaque no Jornal Ibiá. Em março deste ano, uma reportagem foi publicada detalhando a situação de abandono da construção – já parada na época. Diferente daquele cenário e mesmo com a obra ainda parada, atualmente não há mais resto de materiais no local, mato invadindo a construção e telas de proteção no chão.

Impasses dificultam o andamento da obra
De acordo com o secretário municipal de Obras Públicas, Ronaldo Buss, a demora na entrega da Emei Centenário deve-se principalmente pelos impasses que surgiram no contrato com a empresa licitada. “Uma obra só se conclui se nós conseguirmos fazer com que os prazos e os valores estabelecidos sejam cumpridos, o que nem sempre acontece dentro do previsto, como foi o caso dessa obra”, explica o secretário.

O secretário ainda observou que cada obra tem uma característica própria, dessa forma, caso não ocorra interferências com relação ao tempo, valores, intervenções na estrutura, entre outras situações, a obra é entregue dentro do previsto. “Na Emei Centenário ocorreu que a empresa responsável pela execução deixou de atuar alegando reajustes nos valores”, detalhou Buss. “Os técnicos da prefeitura analisaram o pedido, junto a Procuradoria Geral, e não concordaram com todas as exigências da empreiteira, o que levou a paralisação da obra e, consequentemente a rescisão do contrato”, completou o secretário, sem dar mais detalhes sobre os novos prazos.

Deixe seu comentário