Árvores já causaram transtornos anteriormente

Grandes e sem podas, espécies se tornam transtorno para moradores e escola

Grade já foi derrubada após um temporal

Algumas árvores da escola Estadual Delfina Dias Ferraz estão causando preocupação em moradores da região. Isso porque não ocorreu só uma vez de algumas delas desabarem com temporais ou ventanias no ano passado, gerando estragos. O diretor da escola, João Antônio Moreira, conta que uma equipe especializada da área de biologia da Prefeitura de Montenegro esteve presente no ano passado, vistoriando o local. “Eles fizeram todo o levantamento e disseram que iriam tomar as providências necessárias, mas até hoje, não fizeram muito”, relata.

Ele assegura, ainda, que a preocupação não é apenas dos moradores locais, mas também da escola e da direção. “Será feito o que tiver que fazer. Está muito perigoso. Pode causar danos aos pedestres, motoristas e também para as nossas crianças que estudam aqui. Nós estamos aguardando para fazer o que for preciso”, afirma o diretor. “Ás vezes a Prefeitura pode achar que isso não é prioridade, mas é”, comenta, ao relembrar quando uma das árvores caiu sobre a grade da escola, derrubando-a. “Agora a gente arrumou provisoriamente apenas para que a grade não fique caindo”, pontua.

Altas e grandes, árvores podem gerar problemas para veículos estacionados e pedestres do local caso caiam

O que diz a Prefeitura
Após contato via assessoria de imprensa, a Secretaria do Meio Ambiente (SMMA) informou que emitiu uma autorização ambiental para poda das espécies em questão, justamente quando aconteceu o incidente em que um galho se partiu em decorrência de temporal e avariou as grades e o muro que faz divisa com a Catedral.

A Secretaria acrescenta, ainda, que atenderam a um pedido da Defesa Civil e as equipes da Prefeitura realizaram a poda e o corte dos galhos que estavam colocando em risco os transeuntes e veículos que ficam estacionados debaixo da sombra das grandes árvores.

Sobre a atual demanda, o órgão esclarece que será novamente evoluída pelo secretário responsável, Adriano Chagas. Após, juntamente com a diretoria da escola, o problema será avaliado e posteriormente, dada sequência à situação envolvendo as podas. A SMMA afirma, no entanto, que qualquer serviço só poderá ser realizado perante autorização da escola, por ser uma instituição estadual.

Deixe seu comentário