Os produtores rurais que precisam acessar o Seguro Proagro devido à estiagem 2020 devem fazer isso o quanto antes. A Emater-Ascar alerta que, quanto mais demorar a encaminhar, mais crescem as chances do auxílio ser negado. “Não pode ser uma comunicação intempestiva. A comunicação de perdas deve ocorrer enquanto ainda estiver durando o evento, neste caso, a seca”, explica a extensionista rural agropecuária do Escritório Montenegro, Luísa Leupolt Campos.

Ela reitera que o procedimento inicia ao procurar a instituição financeira onde foi tomado o empréstimo e solicitar o Proagro. É o banco que solicita à Emater que realize laudo técnico na propriedade. Até está terça-feira, a autarquia local já havia realizado 35 laudos preliminares, em cidades da microrregião Vale do Caí. Destes, cerca de 90% são de produtores de citros; divididos com lavouras de milho.

Luisa explica que nesta visita preliminar é avaliado se houve perdas, e como está a situação geral da plantação no momento. Como a colheita de citros é estendida devido suas variedades com seus diferentes períodos, depois será realizada ainda a visita final, no qual o laudo apontará a quantificação das perdas, relativo a produtividade, preço e outros. E apenas depois deste rito o banco julgará o pedido, deferindo ou indeferir.

A vistoria da Emater é estritamente técnica. A parte financeira é comprovada ao banco, quando é indispensável que o agricultor apresente as notas fiscais de onde investiu o dinheiro emprestado. Mas gasto com mão de obra não é necessário comprovar. O Seguro cobre todo o projeto de custeio, com cálculo proporcional conforme as notas que o agricultor apresentar e quais suas perdas.

Deixe seu comentário