Grupo realizou oração pela saúde de Dago e de outras pessoas internadas no mesmo hospital que ele. FOTO: Divulgação/Well Runners

Dagoberto Hack Carvalho está no HUVC com Covid-19

Para as enfermeiras que o atendem no Hospital Unimed Vale do Caí (HUVC), Dagoberto Hack Carvalho, 53 anos, sempre mostra uma preocupação: saber se voltará a correr um dia. Uma de suas paixões, a prática foi interrompida por causa da Covid-19 no último mês. Ele foi internado no dia 24 de junho e no dia seguinte foi transferido para o Centro de Terapia Intensiva da casa de saúde, onde segue até hoje.

Como uma forma de mandar boas energias ao colega, o grupo Well Runners realizou no último sábado, dia 24, uma ação que contou com a participação de cerca de 70 pessoas. Elas percorreram correndo ou de bicicleta um trajeto de 2,5 quilômetros até o hospital onde o amigo está internado. Ali, fizeram uma oração pela recuperação de Dago e de outras pessoas internadas, antes de fazerem o caminho de volta até o ponto de onde haviam partido, o Colégio Sinodal Progresso.

Maior desejo de Dago é poder voltar a correr. FOTO: Arquivo Pessoal

A ação foi idealizada pela companheira de Dago, Deise Lisandra Figueira, 43 anos, e pelas enfermeiras que o atendem e que ouviam o desejo dele de voltar a correr. Como inscrição para a corrida foi pedido que cada participante escrevesse uma carta ou mensagem para que o corredor possa ler quando se recuperar. “É um sentimento de gratidão a todas as pessoas que estão nesta corrente de energias positivas pela recuperação dele”, afirma Deise, que agradece, ainda, à equipe do HUVC.

A companheira de Dago lembra que ele entrou no grupo Well Runners em janeiro de 2018, mas antes já participava de corridas. “No grupo ele foi apelidado de Daguinho Asfaltinho, pois prefere correr no asfalto e, de preferência, no plano”, complementa. Ela salienta que seu companheiro era uma pessoa saudável e que praticava atividades, mas mesmo assim acabou acometido gravemente pela Covid-19. “Todos correm riscos”, pontua e lembra que mesmo vacinadas as pessoas não estão totalmente imunes ao vírus.

Deise destaca que Dagoberto já participou até mesmo de uma maratona. “Na maratona da vida nunca estamos a sós. Passamos por muitas dificuldades, mas logo quando se chegam aos quilômetros finais vemos que tivemos muitos apoiadores: Deus, a família, os amigos e muitas pessoas que nem conhecemos, mas que estão ali torcendo pela grande chegada. Força, Dago! Rumo ao pódio da vitória, da vida”, reflete.

Deixe seu comentário