Grêmio foi o único clube brasileiro na competição fotos: reprodução

O Tricolor é imortal, mas teve alma montenegrina na conquista do Mundial Iber Cup 2017. A manhã do último sábado começou movimentada na casa da Familia Cheron, no bairro Santa Rita. O sol mal tinha nascido e o casal Juliano e Sabrina já estava de olho na internet para acompanhar a final do mundial Sub-13, o Iber Cup, em que o filho Bruno estaria em campo com a camisa do tricolor gaúcho na final do mundial da categoria, na vila portuguesa de Caiscais, na região da capital, Lisboa.

Jogo suado. Adversário difícil. O Beleneses forma atletas para as principais equipes de Portugal, como Porto e Benfica, enquanto o Grêmio era o único time brasileiro na competição. As equipes já haviam se enfrentando nas fases iniciais com uma vitória pra cada lado. Bruno fez toda a diferença, desequilibrou a partida ao marcar de cabeça o gol de empate em 1 x 1 no tempo regulamentar e levar o jogo para os pênaltis. “Caiu a transmissão pela internet em Portugal e nós estávamos aflitos querendo saber como foram nos pênaltis. Os pais que estavam lá nos informavam por celular e assim ganhamos esse presente de Páscoa antecipado”, diz a mãe do atleta, Sabrina Cheron. E o pai, Juliano Cheron, também se diz orgulhoso pela conquista da equipe e da participação do filho. “Esse título a Fifa não pode nos tirar (risos). Nem sempre se vence, mas eles trabalham duro para chegar à vitória. Estou muito orgulhoso.”

O adolescente começou a jogar com quatro anos de idade na equipe do Fera. E há quatros atua pelo tricolor. A equipe do sub-13 embarcou no aeroporto Salgado Filho no dia 9 de abril para o torneio e voltou ontem com a mala cheia de histórias para contar.
E a inspiração nos gramados do menino de Montenegro? Cristiano Ronaldo. Agora Bruno pode dizer que conquistou seu título internacional na terra do ídolo!

Deixe seu comentário