Ser vereador não é um desejo singular do sujeito que aqui se coloca à disposição. Para nós, ninguém é vereador de si, ou pelo ao menos não deveria ser. A construção de uma candidatura se faz a partir de anseios coletivos. São dez cadeiras na Câmara de Vereadores, que devem servir a 60 mil habitantes. Desta forma, eu me torno candidato a vereador porque um grupo de pessoas acredita que tenho condições de representá-las neste espaço tão importante para a cidade que é o legislativo municipal.

Por algum tempo, nos disponibilizamos a ser escuta no movimento de igualdade racial, movimento de mulheres, LGBTT, trabalhadores e trabalhadoras desta cidade que pautam as dificuldades de inserção na vida do município e a carência de políticas nas comunidades. Estive em associação de moradores, conselho de juventude e agremiações estudantis onde escutamos, discutimos as dificuldades e propusemos ações para qualificar a vida em sociedade.

Montenegro tem uma receita financeira considerável, condições econômicas, geográficas e potencial cultural para ser muito mais do que é, para atender a todos e todas em sua gestão pública, garantindo os direitos básicos, coisa que não acontece. Desta forma, nos tornamos candidato e queremos ocupar um espaço no legislativo municipal para ser fiscal das ações do Executivo e legislar em benefício da comunidade. É hora de avançar e ter na Câmara um representante com o qual a cidade se identifique e encontre espaço para diolagar. Sou Ezequiel Souza e somos candidato a vereador.

Ezequiel Souza

Deixe seu comentário