Depositar o voto em alguém, como faremos no próximo domingo, é confiar numa pessoa e num projeto os próximos quatro anos da gestão do Município. É acreditar que Montenegro pode melhorar e pode se desenvolver das mais diversas formas.Mas o que buscamos e temos como prioridade, apesar dos muitos desejos em comum, costuma variar de indivíduo para indivíduo.

Procurando entender essas diferenças e os critérios dos montenegrinos que irão às urnas neste dia 15 para escolher entre os cinco candidatos que se apresentam, convidamos dezoito membros da comunidade para responderem a pergunta que todos precisamos nos fazer neste final de semana: que Montenegro eu quero encontrar em quatro anos, ao final deste próximo mandato?

As respostas, que você confere a seguir, vieram dos bairros, do interior, de gente envolvida com Educação, Cultura, Agricultura, Empreendedorismo, Segurança, Comunicação, Direito, as mais diversas áreas. Dão uma ideia do que tende a pesar mais na hora da escolha da pessoa que ocupará o cargo mais importante de nosso Município.

As mensagens enviadas, falam do desejo por uma cidade mais evoluída, com mais apoio às artes, que seja melhor planejada, segura e com boa infraestrutura para se viver. Falam de uma cidade que valorize o seu passado e que, unindo e tratando bem sua comunidade, seja uma referência no futuro.

Confira!

Elisandro Gomes, educador social

“Que nossa cidade tenha tomado o rumo certo sem interesse partidário. Que a saúde seja referência para outras cidades, igualdade social, salário digno aos professores, ruas asfaltadas e o transporte público com o valor justo e sem ônibus sucateados”.

 

 

 

 

 

Letícia Kauer,
arquiteta

“A Montenegro que eu quero é aquela que preserva e valoriza seu patrimônio material e imaterial. Uma cidade planejada para o futuro, tendo como foco a qualidade de vida de todos, prezando sempre por estudos técnicos de profissionais habilitados em suas áreas. Sonho com uma população que não se contente com migalhas eleitorais e saiba do seu valor e importância neste processo”.

 

 

 

Eduardo Kauer, agricultor

“Esperamos que essa eleição possa conduzir aos cargos de prefeito e vereadores pessoas capazes de desenvolver Montenegro. Que o eleitor consiga decidir por projetos que tragam mais saúde, segurança, educação, trabalho e lazer nos próximos quatro anos. Nossa cidade e todo o seu interior têm um potencial incrível, que precisa ser conhecido e aproveitado do melhor modo possível. Acreditamos que o papel das lideranças políticas é coordenar os esforços, incentivando a população e se capacitando a promover uma boa qualidade de vida a todas e todos”.

Pedro Stiehl,
escritor

“De minha parte, gostaria de ver Montenegro em 2024 uma cidade democrática, tolerante e plural. Gostaria ainda de concluir, ao final desses próximos quatro anos, que a nova administração investiu em educação e cultura; que tenha tratado com dignidade o funcionário público e o cidadão. E que a prioridade dos investimentos tenha sido para dar uma vida melhor aos moradores dos bairros mais necessitados e do interior”.

 

 

 

Maria Elisabete Griebeler, diretora executiva

“Como moradora de Montenegro, empreendedora e executiva de empresa, gostaria de ver nossa cidade entre as melhores, tanto para viver como para empreendedores e funcionários. Espero que, nos próximos quatro anos, nossa Prefeitura seja tratada com planejamento e ações como uma empresa. Que partidos políticos, empresas e cidadãos trabalhem em prol de objetivos comuns da cidade. Só assim seremos melhores e atingiremos metas e objetivos”.

 

 

Luís Carlos Hummes, professor

“Desejo uma cidade com políticas públicas voltadas para o bem-estar da comunidade: mais investimentos em saúde (agendamento on-line de consultas e exames), segurança (mais câmeras, não só pelo centro, mas em bairros) e educação (incentivos à cultura direcionada à comunidade e aos estudantes de todas as redes, utilizando espaços públicos em diferentes momentos do ano). Que o turismo seja alavancado, ressaltando nossa belezas naturais. Que a classe política pare de pensar nos seus próprios interesses e governe para a população”.

 

Flávio Azeredo, dançarino e professor

“Falta criar projetos que valorizem nossa história arquitetônica e cultural… Que nossa Administração Municipal valorize o profissionalismo. E, que trate as pessoas de forma justa e ética, estimulando a cidadania! Acho péssima a segurança! Somos roubados com armas pesadas e cruzamos com os bandidos na rua. Isso precisa ser resolvido.”

 

 

 

João Pedro Ferreira da Silva Junior, advogado

“Em dezembro de 2024, gostaria de ver Montenegro evoluída, iniciando pela conscientização da população, com cada cidadão assumindo as suas responsabilidades, fazendo corretamente a sua parte, e que pudéssemos reunir as representações políticas e todas as instituições, para termos um planejamento de curto, médio e longo prazo para o município, com a obrigação de ser cumprido, independentemente de quem for o gestor público”.

 

 

 

Victor Oliveira,
designer

“Eu acredito em uma cidade das e para as pessoas. Uma cidade que se constrói coletivamente, cidadãos e poderes públicos. Meu desejo é que, em 2024, assim seja Montenegro. Uma cidade com cidadãos conscientes de seu papel na sociedade e participativos na melhoria da qualidade de vida. É mais que oportuno despertar nos montenegrinos o sentimento de pertença à cidade. Um povo que se sente pertencente faz de sua cidade um lugar melhor. Os poderes públicos são importantes e tem seu papel, mas, sem a participação ativa do povo, não acontece a mudança”.

 

Everton Santos,
ator/professor/diretor de teatro

“Espero que, nos próximos quatro anos, tanto o Executivo como o Legislativo compreendam que projeto não é apenas ideia, mas plano estruturado que dialoga com o cidadão, avaliando e diagnosticando os problemas e fazendo que todos os setores que produzem a dinâmica de uma cidade (humanos, econômicos, sociais e culturais), possam ser eficazes e efetivos. Utopia? Espero enxergar em 2024 uma Montenegro organizada e limpa na sua urbanização; com uma Secretaria Municipal de Cultura para legitimar o título de “Cidade das Artes”; com políticas públicas de saúde que realmente atendam a população com qualidade e contando com estrutura técnica adequada aos seus servidores; com oportunidade de qualificação e emprego; com uma população mais consciente do seu voto. Isto é possível”.

 

Everaldo Vinicio da Silva, extensionista rural

“Com certeza, um Montenegro melhor, principalmente na parte da agropecuária. Com políticas públicas voltadas ao desenvolvimento rural, incentivando a sucessão rural, a produção de alimentos e a melhoria da qualidade de vida no meio rural. Mesmo que os números não apontem Montenegro como sendo um município ligado diretamente ao setor agrícola, ele certamente é, mas de forma indireta. As maiores indústrias e empresas do nosso município ou trabalham com a transformação de insumos agrícolas ou produzem bens e serviços para agricultores. Desenvolvimento rural é essencialmente o desenvolvimento de Montenegro como um todo”.

 

Elisabeth Bellina, professora

“Eu gostaria que, em 31 de dezembro de 2024, em Montenegro, já estivesse em implantação o sistema de saneamento básico e tratamento de esgotos; já estivesse implantada a Política Nacional de Resíduos Sólidos: já estivesse implantada uma política pública direcionada à proteção e acolhimento de animais abandonados; houvesse um projeto de revitalização dos córregos e arroios da cidade; e que os políticos atendessem, em primeiro lugar, os interesses da comunidade, antes dos seus próprios interesses”.

 

 

João Vitor Santos, jornalista

“Espero ver Montenegro como um município mais igual, com oportunidades para todo mundo. Gostaria de concluir que nesses quatro anos o novo prefeito olhou do Muda Boi ao Centro com o mesmo carinho, mas entendendo as necessidades e particularidade de cada lugar. Por fim, ter uma cidade alegre, forte na educação e na cultura, com saúde e trabalho para todos e uma infraestrutura que privilegie não só quem tem carro. Um município que faça a gente alegre e cheio de vontade de sentar em cadeiras na calçada e ver as crianças brincarem na rua, todas e todos juntos”.

 

Claudete Eberhardt, chef culinarista

“A Montenegro que quero enxergar nos próximos anos é uma cidade com ruas mais limpas, com prédios históricos preservados, contando sua história. A Montenegro que eu quero terá políticas públicas para diminuir a reprodução desenfreada de cães e gatos e, com isso, diminuir o abandono de animais. A Montenegro que eu quero e espero tem políticas públicas para ajudar pessoas carentes a ter uma profissão, uma capacitação para os que hoje vivem de reciclagem, principalmente usando e explorando tração animal”.

 

 

Rogério Santos, jornalista

“Quero enxergar a melhora das condições gerais da cidade, como mobilidade urbana, agricultura forte e ecológica, com uma implantação de ações de saneamento básico em toda extensão do município; com políticas sociais eficazes, não na base de assistencialismo; com um Centro de Referência especializado ao atendimento à mulher, o que fortaleceria muito o importante trabalho desenvolvido pela rede de enfrentamento e atendimento de Montenegro. Ter na história e no site do município que os negros também participaram da construção da cidade e região, ver a Floresta Montenegrina tombada como patrimônio cultural; uma lei eficaz de preservação do patrimônio histórico; uma melhora significativa nos serviços de transporte público; uma política habitacional com maior investimento em imóveis para a população baixa renda, com condições reais de moradia, em locais próximo da malha urbana; com política ambientais que contribuem com o desenvolvimento mas o preservem; uma cultura descentralizada, ao alcance de todos”.

Leodimar Aldo Mantovani, coronel da reserva

“Ver todas as promessas de campanha cumpridas pelo novo prefeito e: estação de tratamento do esgoto doméstico; ampliação do videomonitoramento; iluminação das ERS-124, ERS-240 e RSC-287 na extensão da área urbana; passarelas para a travessia das rodovias que cortam a cidade; acessos laterais, acostamentos decentes e viadutos nas ERS-240 e RSC-287 (o Estado mostrou que não fará); sinalização das estradas vicinais; identificação de todas as ruas do município; cuidado aos animais abandonados, calçadas e áreas públicas de lazer; revitalização dos pontos turísticos”.

 

 

Fabrício Coitinho, administrador

“Primeiro que, independente de partido, tenhamos um prefeito por quatro anos. Que Montenegro seja uma cidade capaz de atrair investimentos e melhorar a infraestrutura. Quero uma cidade com mais saúde, educação de qualidade, menos buracos, mais iluminação pública, mais opções de entretenimento e, principalmente, com uma economia forte, capaz de gerar empregos para toda população. Em 2024, quero uma Montenegro bonita, estruturada, com uma economia pujante. Enfim, uma Montenegro para se orgulhar”.

 

Ernesto Kasper, agricultor e sócio fundador da Ecocitrus

“Gostaria que nestes próximos 4 anos os gestores municipais (executivo e legislativo) conseguissem atuar ouvindo a comunidade através das organizações representativas (conselhos municipais, associações de bairros, Associação Comercial e industrial (ACI), cooperativas e outras categorias, valorizando o atendimento às demandas pleiteadas pela sociedade. Que Montenegro tenha políticas agrícolas para o jovem que deseje atuar na agricultura com produção de alimentos de qualidade.  Que os tributos pagos sejam aplicados com transparência, criando novamente credibilidade aos cidadãos, que passam por um ano extremamente complicado”.

Deixe seu comentário