Candidata a prefeita de Maratá detalha suas ideias para o futuro do Município

 

Quem é Gisele Adriana Schneider?
Bom, eu sou Gisele Adriana Schneider, muitos me conhecem por Gi. Eu sou filha do Otto Flávio Schneider e Maria Eleine Schneider, ambos são agricultores. O meu pai também foi motorista de transporte de passageiros por muito tempo. Minha mãe também foi costureira. Me criei na localidade de Esperança, interior de Maratá. Sou casada com João Augusto, mãe do Lucas e do Arthur, de 7 e 8 anos. Sou funcionário público há 27 anos na Prefeitura de Maratá e, desde 2005, eu atuo na secretaria da Saúde. Fui coordenadora, fui assessora e, em 2015, eu assumi, efetivamente, a secretaria municipal de Saúde. Eu sou formada em Administração Hospitalar com especialização em Direito Sanitário e Gestão em Saúde.

O que motivou a senhora a colocar seu nome à disposição da comunidade de Maratá?
Eu sempre fui uma funcionária muito técnica, muito dedicada em todos os serviços, em todos os setores da Prefeitura pelos quais eu passei. Em 2005, quando eu iniciei os meus trabalhos na secretaria de Saúde como assessora, como coordenadora, eu percebi o quanto o serviço público é importante, faz a diferença na vida das pessoas. Em 2015, quando eu assumi a secretaria de Saúde, esse envolvimento com a vida das pessoas, com o cuidado delas, se tornou cada vez mais importante, mais forte e gratificante. Eu comecei a gostar do meio político, também. Em 2017, com o apoio do deputado Carlos Gomes, nós fundamos o partido Republicanos em Maratá. A partir daí, eu comecei a me envolver, também, com outras áreas. Nós trouxemos recursos para a Educação, para o Turismo, mais emendas para a Saúde, também. E essa vontade política foi crescendo junto com o incentivo recebido pelos amigos, pela comunidade e pelos partidos da coligação. Em acordo, então, com a coligação que hoje nós pertencemos, foi decidido que a gente decidiria a próximo candidato através de pesquisas. O Republicanos colocou o meu nome à disposição junto com outros nomes, dos outros partidos, e foram realizadas três pesquisas. Nessas três pesquisas, o meu nome ficou em primeiro lugar. Com esse acordo e as pesquisas realizadas, hoje eu estou aqui colocando o meu nome à disposição junto com o Marcus para ser a primeira prefeita de Maratá.

A senhora foi secretária da Saúde de Maratá por cinco anos. De que forma essa experiência pode lhe auxiliar caso venha a ser eleita?
Como secretária de Saúde, a gente se envolve muito na vida das pessoas e a questão do cuidado com elas de oferecer um serviço público adequado, com qualidade, com transparência, estar disponível realmente para realizar e ajudar as pessoas. Eu acho que dessa forma, como (foi como) secretária de Saúde, eu posso colaborar ainda mais como prefeita. (Queremos) Levar a gestão que nós fazemos hoje na secretaria da Saúde, o trabalho em equipe, uma administração diferenciada, para a Administração Municipal.

Maratá é conhecida como Capital das Belezas Naturais e apresenta potencial para o turismo. Caso eleita, como a senhora planeja ajudar a desenvolver esse setor?
Nós temos belezas naturais no Município destacadas em toda a região. O que nos falta, talvez um pouco, e que já conseguimos iniciar nesse último ano foi a concessão de pontos turísticos, como os dois parques que, hoje, nós já temos realizada uma concessão para o setor privado fazer a exploração, fazer investimentos e melhorar cada vez mais a infraestrutura destes lugares. Acredito que nós temos que, também, procurar novos roteiros, elaborar novos roteiros turísticos, criar atrativos, vincular o calendário de eventos do Município a atrações que possam trazer turistas, com eventos mensais, talvez. Melhorar a infraestrutura nos outros pontos – nós temos trilha turística, um parque da Oktoberfest muito bonito, uma praça que está sendo totalmente remodelada agora, um morro com uma vista especial da cidade, além disso, buscar parcerias na região, com outros Municípios, para criar roteiros regionais.

Seu plano de governo apresenta a proposta de aperfeiçoar o programa de bônus incentivo aos produtores rurais. No entendimento da senhora, o que precisa ser modificado?
Hoje, o Município tem esse programa de bônus para intensificar a emissão de notas fiscais pelos produtores rurais. O que a gente vem acompanhando nas visitas realizadas é que esse programa precisa ter um retorno, talvez, mais justo aos produtores. Nós temos, hoje, por exemplo, um produtor que tem um faturamento muito elevado que está insatisfeito com o retorno que recebe. Nós temos, hoje, um teto de até sete bônus anuais, o bônus gira em torno de R$ 160,00, e o produtor com faturamento mais alto está insatisfeito, enquanto aquele produtor que não tem uma grande produção acaba não atingindo os valores para concessão dos bônus. A nossa forma é criar novos parâmetros, é buscar, talvez, incentivos diferentes, para que todos os produtores que emitam nota fiscal tenham um apoio maior na agricultura e tenham acesso, também, a essa premiação.

Candidata, como forma de desenvolver economicamente o Município e abrir postos de trabalho sua candidatura propõe atrair investidores e empresários a instalarem novas empresas nos distritos industriais do Município. De que forma fazer isso?
Maratá conta, hoje, com três distritos. Uma incubadora, na verdade, e dois distritos. Esse terceiro distrito, essa área de terras, foi adquirida recentemente. São em torno de três hectares, que foram adquiridos para serem destinados às empresas que iremos buscar. Essa área já conta com infraestrutura, asfalto, uma boa logística, luz trifásica e ela pode ser dividida em lotes para que as empresas se instalem. A nossa ideia é visitar empresas da região e oferecer os incentivos que Maratá, hoje, dispõe, para a instalação dessas empresas no Município.

Há uma proposta, também, no seu plano de governo de aproximar empresários locais e a Administração Municipal. Por que isso é importante e como realizar isso?
Até, completando a resposta interior, além de trazer novas empresas para esta área industrial, a nossa ideia, a nossa necessidade, hoje, é intensificar o apoio às empresas já existentes no Município. Nós temos várias empresas, empresas pequenas e maiores que, apoiadas pela Prefeitura, seguirão crescendo e desenvolvendo novas vagas de trabalho. Também queremos apoiar os jovens empreendedores para que eles criem os seus próprios negócios, tanto na área rural, quanto no comércio local. Que sejam seus próprios patrões e, assim, sigam criando empregos e gerando renda.

Na Saúde, seu plano de governo propõe buscar recursos junto à União para ampliar o horário de atendimento do Centro de Saúde. Candidata, a ideia é utiliza esse recurso para contratação de pessoal ou ampliação do prédio?
A gente, desde agosto do ano passado, vem atendendo no Centro de Saúde das 8h às 17h, sem fechar ao meio dia. Esta ampliação já foi possibilitada com uma reorganização das escalas de trabalho, uma reorganização interna e com pouco custo adicional. A nossa ideia, a partir do ano que vem, é ampliar o horário do Centro de Saúde a partir das 17h até as 19h e, neste horário, oferecer atendimento às demandas de urgência, porque, como o Município é agrícola, a gente tem muitas pessoas que trabalham na área rural e, nesse horário, podem acontecer acidentes e nós estaríamos ali, disponíveis, para fazer esses atendimentos sem necessidade de encaminhar o paciente diretamente ao Hospital Montenegro. E, também, a realização de consultas agendadas para as pessoas que trabalham durante o dia e não conseguem sair do seu trabalho, ou que trabalham fora do Município, para que possam consultar no Centro de Saúde após o horário. A ideia é buscar recursos para a contratação de pessoal, realmente, mas também reorganizar um pouco a escala de trabalho dos profissionais que hoje já atendem lá.

A senhora deseja deixar uma mensagem final aos eleitores de Maratá?
A nossa caminhada está sendo feita visitando a todos os eleitores. Ainda temos muitas visitas para serem realizadas. Construímos um plano de governo colaborativo, com o apoio de toda a população. Hoje, o plano de governo já está impresso, mas nós seguimos realizando as nossas anotações nesse caderno que seguirá como guia para o trabalho nos próximos quatro anos. Acreditamos que muito já foi feito pelo Município, que todos os administradores que passaram pela Prefeitura fizeram a sua contribuição, trabalharam para o crescimento e desenvolvimento de Maratá. Hoje, eu e Marcus queremos a nossa oportunidade de também fazer o nosso trabalho por Maratá. Nós queremos um Município com mais união, com mais empatia, com mais parceria e colaboração entre as pessoas. Dia 15 de novembro, eu peço teu voto de confiança para eleger a primeira prefeita de Maratá. Gisele e Marcos, essa dupla tem compromisso com todos os marataenses. Vote 10!

Deixe seu comentário