Pedágio, em Montenegro, é previsto para a localidade de Muda Boi na RSC-287. Local vem gerando debates, pois tende a isolar a comunidade do resto da cidade. FOTO: ARQUIVO/IBIÁ

Na negociação sobre as rótulas, prefeito recebeu proposta de compensação em outras áreas

O prefeito Gustavo Zanatta anunciou que apresentará proposta formal ao Estado para que a praça de pedágio prevista para a RSC-287, em Muda Boi, mude de lugar. No local atual, as cancelas isolariam a comunidade do interior do restante da cidade. “Nós até podemos admitir o pedágio, desde que haja um recuo de alguns quilômetros em direção ao cruzamento com a BR 386”, declarou o chefe do Executivo em reunião com o secretário extraordinário de Parcerias do Estado, Leonardo Busatto. Como antecipado pelo Ibiá na terça-feira, a possibilidade existe. Zanatta promete encaminhar a demanda oficialmente nos próximos dias.

O encontro com o governo estadual ocorreu de forma online no fim da tarde dessa segunda-feira, 21, quatro dias após a divulgação do estudo que prevê a instalação do pedágio com a concessão da rodovia à iniciativa privada. O prefeito informou que não sabia que estava prevista a instalação em Montenegro.

Na pauta da reunião, também estavam os investimentos previstos pela empresa que assumir a estrada, com a duplicação do trecho entre o trevo do Shell e o antigo Frigonal para ocorrer entre 2024 e 2027. Mais especialmente, o projeto do Governo Zanatta de construir as rótulas na rodovia, entre os cruzamentos com as ruas Ramiro Barcelos e Coronel Antônio Inácio, apesar da concessão.  Se através da concessionária, também, a obra só acontece entre 2024 e 2027. “A Administração Municipal não pode admitir isso e mantém, portanto, a decisão de construir as rótulas com recursos próprios”, reafirma o prefeito. A ideia inicial, porém, de a Prefeitura investir R$ 6 milhões nas rótulas e, depois, ser ressarcida pela empresa que assumir a rodovia caiu por terra. Busatto reforçou que é inviável tal tratativa, mas abriu nova janela ao Município.

“Ele acredita que é possível garantir outros investimentos em Montenegro, no mesmo valor (dos R$ 6 milhões), nas áreas de infraestrutura ou Saúde. Também aí, pediu que a Prefeitura apresente um projeto”, colocou a Administração Municipal em nota”.

Para Zanatta, seria irresponsável assumir posição frontalmente contrária ao projeto de concessão sem, ao menos, buscar uma contrapartida. “Não se pode esquecer que, sem pedágios, não haverá duplicação e outras melhorias nas estradas da região por, pelo menos, 30 anos. Essa condição isolaria Montenegro e reduziria a nossa condição de atrair novos investimentos”, opina o prefeito. “Contudo, não vamos aceitar se não houver garantias de mudança no local das cancelas e de compensação pelas obras das rótulas”, pontua.

1 comentário

  1. Quanto aos pedágios, na tratativa do governo do estado de entregar rodovias estaduais a iniciativa privada por meio de praças de pedágios, alegando falta de recursos para manutenção, aqui requer uma reflexão, mais uma vez a população vai financiar a manutenção dessas estradas via pagamento a concessionárias, que colocarão valores rentáveis é claro, pois visam o lucro, é o estado entregando suas responsabilidades ao privado, que no final das contas nós é que pagaremos, e pagaremos duas vezes, pois as empresas repassarão esses custos ao produto final. Diante disso, fica claro a política privatista do governo estadual e assembleia legislativa, com maioria dos partidos de direita que endossaram essas medidas, pois bem, quem sofre é a população, o trabalhador assalariado que vê seus ganhos minguarem diante desses descalabros que a política neoliberal tanto estadual como federal vem promovendo com aumentos de tarifas públicas como energia, gás e combustíveis. O eleitor precisa entender que governos que se identificam com o mercado, jamais farão políticas públicas que promovam a redução da desigualdade social, que busquem a geração de emprego e renda, pelo contrário, sempre vem com a falácia das reformas, privatizações, estado mínimo.

Deixe seu comentário