Família anseia pela chegada do último dos irmãos

Devido à crise no país natal, família espera se reerguer na Cidade das Artes

Em setembro de 2019, Maria de Los Angeles Blanco chegava em solo brasileiro junto com a filha Gabriela Blanco e os seus três netos. A família de Caracas, na Venezuela, veio refugiada do país atrás de uma vida melhor, mas depois de um ano da mudança a luta continua. A família ainda não está totalmente reunida.

Ainda neste domingo, 13, Maria recebeu um acalento para o coração. Seu filho Richard Díaz, junto com a esposa e três filhos, conseguiu finalmente se juntar ao resto do clã. A meta agora é trazer o último filho para Montenegro. “Agora falta só um filho para chegar aqui, ele tem uma esposa e três filhos. Sinto muita saudade de ter todo mundo reunido. Quando ele (Richard) estava lá eu vivia chorando, depressiva. Mas quando ele chegou eu fiquei muito feliz; é uma felicidade muito grande”, explica.

Robert Díaz e família, ainda na Venezuela Foto: Arquivo Pessoal

A vitória foi coletiva. A irmã Gabriela conta que o dinheiro para trazer o irmão veio do emprego que conseguiu em um supermercado, e também da própria chefe que realizou uma vakinha e também ajudou com custos separadamente. Além disso, ela explica que desde o início sempre foram bem recebidos. “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias nos ajudou, eles alugaram uma casa até nós conseguirmos um emprego. Até porque não podíamos pagar, só viemos com a roupa do corpo. Muitos vizinhos ajudaram e continuam ajudando”, fala.

A vinda de Richard também foi facilitada pelo intermédio do enfermeiro Marcelo Cruz, que conheceu Gabriela em uma consulta. “Gabriela passou por consulta e, em seguida, passou pra sala de medicação, onde a conheci e trocamos contato. Troca cultural é algo que me fascina, por isso me interessou tanto o contato com a família Díaz”, relata. Quando soube que Richard estava em trâmite entre Caracas e Santa Helena, Marcelo buscou ajuda com uma amiga que mora em Boa Vista/RR, que repassou o contato do Missionário Carlos Wizard Martins, que foi quem prestou os “primeiros cuidados” à família Díaz.

Envolvido com a situação, Marcelo ficou comovido com a história da família e agora promove nas redes sociais uma campanha para trazer Robert Díaz para Montenegro. “Como estamos em épocas difíceis, pedi nas postagens o valor simbólico de 1 real por pessoa. Torna-se mais difícil e cansativo bater em 5.000 portas, já que esse é o valor necessário pra ação, mas o cansaço vale a pena já que a causa é justa”, diz. Ele explica que a ajuda é simbólica, e cada um pode ajudar com a quantia que tiver e puder. Todo o valor arrecadado será usado para o translado da família.

Maria de Los Angeles e os filhos aguardam ansiosos pela vinda de Robert. Com um salário mínimo mensal de pouco mais de US$ 1 (um dólar), ou seja, cinco reais, a miséria e o desespero assola toda a população venezuelana. “Eu venho de lá e eu vejo a diferença. Vocês (brasileiros) tem tudo; vocês têm um salário que alcança para sustentar as suas famílias; tem alimentos; tem serviços; tem mais segurança, etc…”, fala Gabriela. Para eles, estar junto e com saúde é o maior desejo para o final de 2020.

Para ajudar
Nome: Marcelo Cruz – CPF 82237786020
Banco do Brasil: Ag 2484-8
Conta 23642-X Ou pelo Pix 82237786020.
Para doações presenciais basta entrar em contato com Marcelo pelo número 9.9978.1007
Vakinha: http://vaka.me/1522789

Deixe seu comentário