Colegas de profissão se reuniram no local do crime onde trocaram consolo pela perda

MONTENEGRO. Um suspeito também veio a óbito e quatro estabelecimentos foram vistoriados na cidade

Uma operação da Polícia Civil contra crimes de abigeato resultou na morte do policial Edler Gomes dos Santos, de 54 anos. Conforme a perícia, o escrivão foi atingido na região da axila do ombro esquerdo, por disparo efetuado de uma espingarda calibre 12. Possivelmente a bala passou pelo vão do colete. Ele faleceu no local. O fato ocorreu no início da manhã dessa terça-feira, 16, em uma pequena propriedade na localidade de Potreiro Grande, próximo à Estrada da Pedreira Velha. O suspeito Cláudio Roberto Narde, 59, atirou contra os agentes e também acabou morto. O policial civil Alexandre Machado também acabou ferido. A ação cumpria 24 mandados de busca e apreensão nas áreas rural e urbana de Montenegro.

Foram vistoriados quatro estabelecimentos ontem

Edler se formou em 2010 e estava lotado na Delegacia de Lavagem de Dinheiro do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc). Ele era casado, deixa dois filhos e, em breve, seria avô. Durante a operação, ele prestava apoio a outros três policiais, sendo um deles da Região. A Chefe da Polícia Civil do Estado, delegada Nadine Anflor, esteve no local do crime e lamentou a perda de mais um policial. “É mais uma fatalidade, todos os dias corremos o risco de termos esse tipo de enfrentamento. Era um policial experiente, já tinha trabalhado no Deic, Denarc, a quem a gente sente muito, porque era um colega que todos adoravam. Estamos todos consternados. Mais um herói tomba em serviço”, disse a chefe de Polícia.

O policial Alexandre Machado recebeu os primeiros atendimentos no Hospital Montenegro e não corre risco de morte. Antes de ser transferido para um hospital de Porto Alegre, Alexandre recebeu a visita da delegada Nadine.

A operação contra crimes de abigeato começou a ser planejada há cerca de dois meses, e segundo o delegado da Delegacia Regional de Polícia Civil, Marcelo Farias Pereira, atendeu a todas as normas de segurança para sua execução. Até mesmo o horário de início da ação foi adiado das 5h30 min para mais tarde, quando já houvesse boa visibilidade. Para o delegado, não há chance de o homem ter atirado por engano. “Todos os procedimentos foram tomados. Aqui na nossa região ocorrem muitos furtos e assaltos em residências do interior e as pessoas têm medo quando alguém estranho se aproxima, mas os policiais estavam devidamente identificados”

Estabelecimentos comerciais foram alvo da operação
Quatro estabelecimentos comerciais foram inspecionados, com apoio da Vigilância Sanitária e Inspetoria Veterinária do município. Após vistorias dois foram autuados e quatro pessoas acabaram presas em flagrante, por posse ilegal de armas de fogo.

O corpo do Policial foi encaminhado para Porto Alegre

Dos 24 mandados cumpridos em Montenegro nessa terça-feira, quatro ocorreram em estabelecimentos comerciais. Dois mercados de médio porte, um no bairro Aeroclube e outro em Rua Nova, foram autuados por acondicionar carnes de forma irregular. A Vigilância Sanitária recolheu e inutilizou 50 quilos de carne, que apresentavam aspecto de apodrecimento. Contudo, nesses estabelecimentos, não houve comprovação de relação com abigeato.

Ao todo, dos quatro locais inspecionados, a Polícia apreendeu R$220 mil, três espingardas e um revolver com numeração raspada, o que resultou na prisão dos responsáveis pelos materiais. Dos presos, apenas um não teve direito a fiança devido à arma estar sem identificação numérica. Os demais já foram liberados. A Polícia Civil e os órgãos envolvidos na investigação não divulgaram os nomes dos estabelecimentos.

As operações relacionadas aos roubos e furto de gado prosseguem. A ação de ontem envolveu mais de 300 policiais, em 37 cidades gaúchas, contudo foi interrompida após a tragédia ocorrida em Montenegro.

Na casa em Potreiro Grande foi encontrado um freezer e materiais utilizados para caça e pesca irregular, o que aumenta as suspeitas sobre o uso do local para o crime. A investigação continua.

Quatro policiais mortos no Estado em três semanas
“A morte de policias militares e civis no Rio Grande do Sul vem chocando a todos”, afirmou a chefe de Polícia Civil Nadine Anflor. Há uma semana, o policial militar Gustavo de Azevedo Borba perdeu a vida em um confronto. Antes disso, em 26 de junho, Rodrigo da Silveira e Marcelo de Fraga Feijó também foram abatidos. Todos os crimes ocorreram em Porto Alegre, durante o exercício da atividade de policiamento.

O quarto e mais recente caso foi o registrado ontem em Montenegro. Por pouco, a perda durante a operação de ontem não foi maior, tendo em vista que outro servidor da Polícia Civil também ficou ferido.

Deixe seu comentário