Nesse 10 de maio de 2020, completamos 1 ano de viagem! 1 ANO!! Inacreditável. Verdade, a gente ainda não acredita faz 366 dias que saímos da nossa Montenegro, uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, pra viver uma aventura de kombi pela América Latina. Sempre pareceu coisa de gente louca – e inspiradora – que víamos no Youtube ou no Instagram. Queríamos, mas nunca imaginamos que chegaríamos tão longe.

Com certeza, também não passou pelas nossas cabeças que completaríamos um ano de viagem em Medellín, em meio a uma pandemia mundial. Em nossos planos (um dos poucos que fizemos), estaríamos já no Brasil, chegando para curtir as festas juninas em São Paulo ou Paraná. Mas, como já percebemos que nosso destino na estrada depende de muitas coisas e não só das nossas vontades, acabamos comemorando em uma praça, minutos antes do Toque de Recolher, com a Tita, o Martin, a Carol e o Lucho, nossos novos e grandes amigos.

E mesmo com toda essa loucura, foi um dia lindo. O sol raiou fortemente no Parque La Floresta e o tédio já comum dos dias nos fez cozinhar um arroz de forno (que não foi no forno) e um bolo com cobertura de leite condensado caseiro. Marcamos esse 366° dia com alegria, risadas e recordações de alguns momentos que marcaram esse período.

O que aconteceu nesse 1 ano? Nossa! Acho que nenhum texto seria capaz de compilar o tanto de sensações, emoções, lugares, pessoas e momentos que vivemos desde que deixamos nossos empregos, famílias e amigos, e partimos rumo ao Uruguai, o primeiro país estrangeiro da Analuz. Mas, podemos resumir em alguns dados:

– Foram 23,9 mil quilômetros rodados. Visitamos algumas cidades do nosso estado antes de sair do Brasil, as praias uruguaias, a costa argentina do Atlântico até chegar ao Ushuaia, a Cordilheira dos Andes na Argentina e no Chile, a costa chilena do Oceano Pacífico, litoral e montanhas peruanos, litoral, selva e montanhas no Equador e os primeiros vales colombianos. Esse (no mapa) foi o trajeto que percorremos até agora:

– Só com gasolina gastamos R$ 10.565,33. Foram 2.552,71 litros! Em geral, os preços do litro de combustível estão bem parecidos com o Brasil, sendo que o litro mais caro pagamos no norte da Argentina, em Tolar Grande, e nos custou R$6,50. Porém, esse foi um caso mais isolado no país, porque a gasolina mais cara, em média, está no Chile e no Uruguai. A mais barata, como já era esperado, foi no Equador, onde pagamos R$ 2,19 por litro.

– Impossível opinar sobre um lugar que a gente gostou mais, mas elegemos alguns dos pontos que mais nos surpreenderam: La Paloma, Uruguai; Ushuaia, Argentina (obviamente); Carretera Austral, Chile; Parque Nacional Los Alerces, Argentina; Tolar Grande, Argentina; Deserto do Atacama, Chile; Cusco, Peru; Huaraz, Peru; Reserva Nacional Paracas, Peru; Montañita, Equador; Reserva Nacional Machalilla, Equador; Canoa, Equador; Quilotoa, Equador; Baños de Água Santa, Equador; Cali, Colômbia; Medellín, Colômbia.

– Dos 366 dias desse ano, dormimos 362 na kombi. Somente quatro dias, nas noites mais frias de Puerto Natales, Chile, aceitamos o convite de amigos e dormimos em sua casa, com calefação e ducha quente. Em todas as outras noites, dormimos na nossa cama, estacionados em postos de combustível, campings, estacionamentos, praças, praias ou ruas mesmo.

– Além de brasileiros, que encontramos em praticamente todos os grandes pontos turísticos que passamos, conhecemos pessoas de diversas nacionalidades: uruguaios, argentinos, chilenos, peruanos, equatorianos, colombianos, venezuelanos, franceses, belgas, suecos, alemães, espanhóis, mexicanos, americanos, canadenses, holandeses, italianos, coreanos e portugueses.

– Dos países da América do Sul que ainda queremos conhecer, faltam Venezuela, Bolívia e o Paraguai. Venezuela ainda é uma das nossas fortes opções de “país de passagem” para chegar o Brasil novamente, então, devemos conhecer em breve. Bolívia e Paraguai devem ficar pras próximas aventuras, provavelmente nas férias.

Onde estamos
Seguimos em Medellín. Já são mais de 60 dias aqui! A situação é a mesma: quarentena, cidades e estados fechados, fronteira nacional também fechada e dias e mais dias na Kombi esperando o 30 de maio, data prevista para reabertura do país. Até lá, vamos passando o tempo da melhor maneira que podemos. Estamos bem!

Deixe seu comentário