Zanatta e Kadu tiveram confrontos diretos no debate pré-eleições, assim como durante a campanha. Agora, precisam trabalhar juntos para que ocorra a transição. FOTO: ARQUIVO/IBIÁ ELEIÇÕES

Prefeito eleito deu detalhes sobre como os trabalhos devem ser conduzidos

A Administração Kadu Müller não respondeu ao questionamento da reportagem sobre como se organizava com o período de transição de governo para a posse do novo prefeito eleito (ver atualização abaixo). Mas em entrevista à Rádio Ibiá Web, Gustavo Zanatta contou à comunidade que já houve uma primeira aproximação entre o atual prefeito e ele na última terça-feira, 17, mas as primeiras reuniões quanto a transição começarão só na primeira semana de dezembro. Com um período reduzido, após a postergação das eleições, 42 dias o separam da posse, em 1º de janeiro.

De praxe, o processo de transição consiste na apresentação da situação financeira da Prefeitura, e também dos contratos, convênios e projetos que estão em andamento e podem ser continuados ou, eventualmente, interrompidos. “Na quarta, a gente começou a formalizar um grupo de transição. Essas pessoas vão ser escolhidas por nós e, em dezembro, vamos colocá-las à disposição para que o atual governo possa fazer sua parte e colocar as informações, os projetos e como está o andamento da Prefeitura”, explicou Zanatta.

Em suas palavras, o principal desafio da transição será saber em que condições a Prefeitura será encontrada. “Saber como estão as contas, como que a gente vai pegar”, colocou. “E a forma como nós pegarmos, em questão de valores, questão de projetos, de andamento, nós vamos colocar à disposição da comunidade. É mostrar: nós pegamos a Prefeitura dessa forma e então, a partir de agora, a gente vai montar um planejamento dentro do que tem pra frente.”

Sobre projetos em andamento na gestão Kadu, o vice-prefeito eleito, Cristiano Braatz, diz que tudo será analisado individualmente. “O que está em andamento tem que avaliar caso a caso. Não vamos fazer como já se fez, de perder recursos porque é projeto do prefeito atual. Nós vamos honrar o que está pactuado, mas a gente entende que dá pra fazer mais”, pontuou. A extinção de 30 cargos de confiança, o aproveitamento dos servidores de carreira e a revisão da dívida do Projeto Cura foram citadas pelo vice como prioridades para o início do novo governo.

PRIMEIROS DIAS
Sobre a rotina pós o domingo de eleição, Zanatta contou que ainda trabalha para atender os agradecimentos e inúmeros contatos dos eleitores. “O telefone não para, mas a gente sabe que as pessoas querem nos dar esse carinho. Segunda e terça foi meio atípico, mais para esses agradecimentos”, disso. Em paralelo, ele e seu vice estão iniciando aproximações com conselhos e com vereadores, em reuniões individuais que estão ocorrendo antes de uma coletiva com os dez eleitos para o Legislativo. Também trabalham na composição da lista dos nomes que vão compor o primeiro escalão de seu governo; e que já tem confirmada a secretária de Educação. “Nós temos, já, outros setores com vários nomes com os quais estamos conversando. Ao longo do tempo, com o aceite, a gente vai anunciando”, apontou Braatz.

*ATUALIZAÇÃO EM 20/11, COM RETORNO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA ATUAL GESTÃO: O prefeito Kadu Müller publicou uma portaria na terça-feira, dia 17, designando quatro pessoas do governo para a comissão de transição. São eles: Edar Borges, secretário de Administração;  Antônio Filla, secretário da Fazenda; Ronaldo Buss, secretário de Gestão e Planejamento; e Cleusa Marca, gerente de Contratos e Convênios.

Deixe seu comentário