Pintor há 18 anos, Luiz Henrique de Oliveira não abre mão do protetor solar, boné e até da gola da camisa levantada para proteger a nuca

O Verão ainda nem chegou, mas as altas temperaturas já deram as caras. Nesta semana, por exemplo, os termômetros registraram 36 graus, com sensação térmica de 38. Para quem trabalha em ambiente fechado e climatizado esse período do ano não é problema, mas aqueles que precisam enfrentar o calor e o sol, a tarefa não é fácil e os cuidados precisam ser redobrados.

Sem grandes cuidado com a exposição ao sol, o pedreiro José Carlos de Oliveira garante que nunca teve insolação no trabalho

Longe das paredes dos escritórios, eles trabalham ao ar livre e têm a luz do dia como maior companhia. Porém, são nas estações mais quentes do ano, que o sol escaldante se transforma em um verdadeiro desafio a profissionais como agricultores, carteiros, vendedores ambulantes, trabalhadores da construção civil e da coleta de lixo, servidores da equipe de varrição da prefeitura, entre outros. Nesses casos, a falta de cuidado pode trazer sérios problemas de saúde no futuro, como o câncer de pele, que representa 33% de todos os diagnósticos desta doença no Brasil.

O uso de filtro solar, chapéu de abas largas, óculos de sol e beber bastante água, são algumas medidas de prevenção que devem ser adotadas para quem trabalha principalmente nessas condições, como explica a dermatologista Daiana Decusati. “O ideal é que o fator seja de 30 ou mais”, frisa. “É interessante ressaltar que, mesmo que utilize um filtro mais alto, há a necessidade de reaplicar o produto a cada 3 horas, ou antes, se transpirar ou se molhar”, orienta Daiana, destacando as roupas com proteção solar como grande aliadas quando se trata desse assunto.

Pintor há 18 anos, o montenegrino Luiz Henrique de Oliveira, 53, não abre mão dos cuidados com a pele durante o serviço. “Sempre passo protetor em todo corpo onde o sol pega”, disparou Oliveira, enquanto pintava as grades de uma residência sob altas temperaturas. “Antes de sair casa passo uma camada [de protetor], depois, quando chego no local de trabalho, passo mais um, sempre assim, para garantir a proteção”.

Dermatologista Daiana Decusati.

Após tanto tempo na profissão, o pintor conta que hoje em dia a sensação térmica é bem pior que anos atrás, e ele conta porque chegou a essa conclusão. “Conforme a temperatura, ocorre a formação de boas na superfície onde passo a tinta, assim, quanto mais quente, mas bolhas surgem e ultimamente isso tem sido um problema para mim”, revelou o montenegrino, citando o o buraco na camada de ozônio como um das fatores responsáveis pelas mudanças no cilma.

Se por um lado alguns trabalhadores não economizam esforços para proteger a pela das altas temperaturas, essa preocupação passa longe de outros, como o pedreiro José Carlos de Vargas, 62, que trabalha na área desde 15 anos. “Não uso nada de proteção, mas sempre procuro fazer os serviços na sombra e tomo bastante água”, disse Vargas, que estava trabalhando exposto ao sol e sem camisa. Apesar da falta de cuidado, ele garante que nunca sofreu insolação. “Trabalhando nunca aconteceu, mais uma vez na praia fiquei cheio de bolhas por causa da exposição”, declarou.

Os responsáveis pelas temidas queimaduras são os raios ultravioletas, classificados em UVA e UVB. A diferença entre eles é que o UVA penetra na pele e o UVB, não. Quando o UVB atinge a pele, os vasos sanguíneos se dilatam, formando o eritema, nome técnico para a vermelhidão. Por isso, coforme a especialista, alguns tipos de peles merecem atenção especial. “Reservo os fatores mais altos para peles muito claras ou que tenham alguma doença desencadeada pela exposição solar [câncer de pele, Lúpus, melasma…]”, orienta a dermatologista.

Quais são os sintomas da insolação?
A insolação causa sintomas que vão aparecendo aos poucos. Os primeiros sinais são:
-Dores de cabeça;
-Tontura;
-Náusea;
-Pele quente e seca;
-Pulso rápido;
-Temperatura elevada;
-Distúrbios visuais;
-Confusão mental.

Para evitar problemas com as altas temperaturas, a hidratação é uma grande aliada . foto:reprodução internet

Como tratar a insolação?
O tratamento da insolação consiste em reduzir a temperatura corporal da pessoa e hidratar bastante o organismo. Para isso, os profissionais de saúde podem oferecer água e manter a pessoa em um lugar fresco, com sombra e ventilação, ajudando na recuperação. Dependendo do caso, pode ser necessária hidratação venosa.
É recomendado, também, retirar o máximo de roupas possíveis, deixando a pessoa apenas com peças leves, para que o corpo consiga reagir. Dependendo do caso, o médico pode fazer compressas de água fria e colocar panos molhados para ajudar a baixar a temperatura corporal.

Sintomas da desidratação
Desidratação leve a moderada pode causar:

– Boca seca e pegajosa
– Sonolência ou cansaço – crianças tendem a ser menos ativas do que o habitual
– Sede
– Diminuição da produção de urina (para bebês, não molhar a fralda por três horas ou mais)
– Pouca ou nenhuma lágrima ao chorar
– Pele seca
– Dor de cabeça
– Prisão de ventre
– Tonturas ou vertigens.

A desidratação severa, uma emergência médica, pode causar:
Sede extrema
– Preguiça extrema ou sonolência em bebês e crianças
– Irritabilidade e confusão em adultos
– Boca, pele e membranas mucosas muito secas
– Pouca ou nenhuma micção – toda a urina que é produzida será mais escura do que o normal
– Olhos fundos
-Pele seca e murcha, sem elasticidade
– Em bebês lactentes, fontanelas afundadas
– Pressão arterial baixa
– Batimento cardíaco rápido
– Respiração rápida
– Sem lágrimas ao chorar
– Febre
– Nos casos mais graves, delírio ou inconsciência.

Queimaduras de sol
Compressas – Compressas com água fresca dão a sensação de alívio na pele. Outra opção é utilizar chá de camomila, que tem efeito calmante, ajudando a diminuir o desconforto causado pela queimadura.

Banho somente com água – O sabão e o sabonete podem agredir a pele, favorecendo seu ressecamento e, por isso, em caso de queimadura de sol, o mais indicado é tomar um banho somente com água, sem esfregar a pele. Na hora de secar, não é recomendado usar a toalha no corpo, deixando-se secar ao ar livre.

Hidratar a pele – É importante hidratar a pele logo após o banho e várias vezes ao dia, aplicando um bom creme. Assim o risco da pele descascar é menor e a dor também. Beber muita água e comer frutas com bastante suco também ajuda a hidratar o corpo de dentro pra fora, contribuindo para a cicatrização. O suco de abacaxi, melancia e de cenoura com laranja são ótimas opções, pois são ricos em antioxidantes.

Procurar médico – Tratamentos naturais funcionam em casos de queimaduras leves, quando a pele fica vermelha e dolorida. Porém, se houver intensa vermelhidão por todo o corpo, febre e bolhas recomenda-se uma consulta médica, pois pode ser necessário tomar algum anti-inflamatório, porque pode ser uma insolação.

Como agir em casos de insolação (primeiros socorros)?
Se você presenciar algum caso de insolação, as medidas abaixo devem ser tomadas para auxiliar a pessoa. São os primeiros socorros até a chegada de um médico. O objetivo inicial é baixar a temperatura corporal, lenta e gradativamente. Para isso, siga os seguintes passos:
-Remover a pessoa para um local fresco, à sombra e ventilado;
-Remover o máximo de peças de roupa;
-Se estiver consciente, a pessoa deverá ser mantida em repouso e recostada (cabeça elevada);
-Pode-se oferecer bastante água fria ou gelada ou qualquer líquido não alcoólico;
-Se possível, deve-se borrifar água fria em todo o corpo da pessoa, delicadamente;
-Podem ser aplicadas compressas de água fria na testa, pescoço, axilas e virilhas;
-Tão logo seja possível, a pessoa deverá ser imersa em banho frio ou envolta em panos ou roupas encharcadas.

Como agir em casos de desidratação
Se você é um adulto saudável, geralmente conseguirá tratar desidratação leve a moderada ingerindo mais líquidos como água ou uma bebida isotônica. Obtenha cuidados médicos imediatos se surgirem sinais e sintomas graves, tais como sede excessiva, falta de urina, pele enrugada, tonturas e confusão.
Vá ao médico se a pessoa desidratada experimenta qualquer dos seguintes sintomas:

– Vômito constante por mais de um dia
– Febre acima de 38°C
– Diarreia por mais de dois dias
– Perda de peso
– Diminuição da produção de urina
– Confusão
– Fraqueza.

Deixe seu comentário