Tok de Bola conquistou seu terceiro título em menos de um ano no clube

Copa Genifer Sports. Final da Série Ouro foi decidida nos pênaltis

O sábado, 20, foi de muita emoção nas finais da Copa Genifer Sports, o torneio do primeiro semestre do Grêmio Gaúcho. O campeão da Série Ouro, título pretendido por JDN e Tok de Bola, só foi conhecido nos pênaltis. A luta pelo caneco da Série Prata, dentre Os Restos/Mar de Chopp/Costa Imóveis e Unidos/Agrogauer/Trans Brothers, também foi emocionante.

Teve muitas jogadas fortes e chuva de cartões amarelos. A tarde ensolarada e o amor pelas equipes levaram muita gente ao clube. Os treinadores ganharam assistentes e os árbitros xingamentos e reclamações – principalmente delas.

Final foi equilibrada do início ao fim e decidida somente nos pênaltis

O confronto pelo caneco mais cobiçado, o da Série Ouro, foi bem equilibrado e disputado na bola. Houve faltas normais para ambos os lados, mas todas leais. O JDN começou ligeiramente melhor, valorizando a posse de bola. Logo no começo, Vagner Viegas mandou de longe e obrigou o goleiro Samir da Silva a fazer boa defesa. Na sequência, João Lino mandou para fora. Outra boa chance veio aos 9 minutos, quando John Lennon mandou no pé da trave direito.

O goleiro do JDN trabalhou duas vezes em lances importantes no primeiro tempo. Gabriel catou as cobranças de falta de Fronteira e Tabajara. A partida foi para o intervalo com o placar zerado.

A tônica do jogo continuou a mesma na etapa final. Aos poucos, porém, os atletas começaram a ir mais para cima e sobraram mais espaços. Ainda assim, as duas equipes mantiveram a marcação forte nos contra-ataques.

confronto, Grêmio Gaúcho, Tok de Bola, final, Série Ouro

O Tok de Bola criou mais, comparado ao início da partida e perdeu algumas chances. A mais clara, Everton Ferreira recebeu lançamento e matou no peito com estilo, girou e foi voando em direção ao gol. A conclusão cruzada, por pouco, não morreu no fundo da rede adversária. Antes disso, Edilson, do JDN, havia obrigado Samir a uma boa intervenção. Os dois não tinham como saber, mas seriam personagens de destaque na decisão.
Após os dois times mostraram qualidade na marcação, no entrosamento e no toque de bola, não conseguiram marcar. Assim, o campeão do primeiro semestre foi conhecido nos pênaltis.

A primeira cobrança foi do JDN. Vagner chutou forte sem chance para o goleiro Samir. Pelo Tok, Tabajara bateu forte à meia altura no canto direito e Gabriel deu uma ponte para fazer uma defesaça. Se Marcos Lino fizesse, o JDN abriria uma importante vantagem, mas a bola atingiu o travessão e quicou no chão. Segundo a arbitragem, fora do gol. A torcida e os jogadores protestaram bastante. Há, inclusive, um vídeo circulando, no qual parece realmente ter sido gol, mas não tem como ter certeza.

As cobranças continuaram e a disputa sempre empatada. Edilson, do JDN, cobrou rasteiro, sem muita força, e Samir defendeu. E coube ao arqueiro fazer o último e correr para abraçar os companheiros. Tok de Bola campeão!

Após a primeira comemoração com o grupo, Samir ressaltou o resultado como uma conquista coletiva. “É mérito de todo o nosso grupo, somos muito unidos. Enfrentamos um adversário bastante difícil”, ressaltou.

O treinador do Tok de Bola, Alexandre Kerber, seguiu no mesmo tom. “Os dois times jogam e deixam jogar. Os dois chegaram a final por merecimento em campo. E, o que engrandece mais a nossa vitória é o JDN, o nosso adversário é gigante”, salientou. O Tok de Bola venceu, na sequência, a Série Prata, o Torneio de Verão e a Série Ouro.

Melhor campanha, Os Restos garantiu o título com grande vitória na final

Jogo pegado na disputa do caneco da Série Prata
O jogo entre Os Restos e Unidos foi tenso para decidir o campeão da Série Prata. Ao todo, os árbitros mostraram 13 cartões amarelos, além de dois vermelhos dados a jogadores no banco de reserva do Unidos, por reclamação acintosa.

Os Restos começou melhor, mas quem saiu na frente foi o Unidos, com Bruno Ascari, o melhor do time. Mas o adversário virou com dois gols de Eduardo de Oliveira e Júlio César de Oliveira, cobrando pênalti no último minuto. O placar foi 4 a 1.

O treinador do Os Restos, Pedro de Luciano de Oliveira, salienta o empenho do grupo em conquistar a vaga na divisão principal. “A gente vinha de três semestres ficando entre 1º e 3º sem conseguir conquistar a vaga. Agora, montamos um grupo diferenciado e conseguimos classificar em primeiro e ser campeão”, comemora. A ideia é acrescentar talentos ao time para encarar a Série Ouro. Contudo, o professor avalia o elenco como bom para começar a disputa.

Pela disputa de terceiro e quarto da Série Ouro, o Amigos do Tione, com dois de Anderson Grisbach, superou o Absolut, por 2 a 1. O gol de honra foi de Júlio César Machado.

Deixe seu comentário