São 437,04 m² de área construída, a partir da montagem de celas em monobloco, técnica utilizada no Complexo de Canoas Fotos: Rodrigo Ziebell/SSP

Estado inaugurou ontem centro de triagem e anunciou construção de duas penitenciárias na Grande Porto Alegre

O novo centro de triagem (CT) para presos provisórios de Porto Alegre iniciou sua operação 28 dias após a assinatura da ordem de serviço da obra, com execução da obra em recorde de 19 dias. A inauguração, ocorrida ontem, contou com a presença do governador José Ivo Sartori e do secretário da Segurança Pública, Cezar Schirmer. Mas o ato foi marcado mesmo pelo anúncio de duas outras unidades prisionais: um terceiro CT e uma nova cadeia pública, ambos em Porto Alegre.

Com capacidade para 96 detentos, o CT está localizado em área anexa à Cadeia Pública de Porto Alegre (CPPA). Possui 437,04 metros quadrados de área construída, erguida a partir da montagem de celas em monobloco GRC+CAD (concreto reforçado de alto desempenho). Essa técnica também foi utilizada no Complexo Prisional de Canoas. A obra foi executada pela empresa Verdi Sistemas Construtivos, contratada com inexigibilidade de licitação.

O valor total investido é de R$ 2,9 milhões, oriundos do Tesouro do Estado. Sartori ressaltou os esforços da atual administração para sanar os problemas do sistema prisional. “Estamos apostando em uma maneira diferente de trabalhar. É evidente que não vamos resolver todas as demandas existentes, mas estamos determinados, dentro das condições possíveis”, declarou.

Ele apontou ainda que se trata de uma construção segura e em condições de realmente fazer uma triagem adequada. “Um trabalho que une agilidade e qualidade, dentro de um padrão que queremos replicar nos demais presídios e CTs”, afirma Schirmer. O secretário destaca, também, a importância da abertura de novas vagas.

Cerca de 40% dos presos no RS são provisórios, o que nos mobiliza a direcionar esforços para ampliar a capacidade do sistema prisional. Precisamos que as polícias estejam liberadas para a execução de suas atividades primordiais: o policiamento ostensivo e a investigação dos crimes”, acrescenta.

No CT, o detento é controlado através de uma galeria situada no segundo pavimento, o que garante mais segurança aos servidores e possibilita menor emprego de efetivo. A operação, em um primeiro momento, ficará a cargo da Brigada Militar. “Pretendemos assumir a unidade a partir do ingresso dos novos servidores aprovados no concurso público”, esclarece a superintendente dos Serviços Penitenciários, Marli Ane Stock.

Apesar da construção em 19 dias, governo garante qualidade da cadeia

Novas unidades prisionais
As novas unidades prisionais anunciadas serão construídas na mesma área anexa à Cadeia Pública de Porto Alegre, pela Verdi Sistemas Construtivos. “O processo de construção deverá ser bastante rápido, como foi o deste centro de triagem”, afirma Sartori.

O terceiro centro de triagem para presos provisórios da capital terá capacidade para 112 detentos. A obra será custeada pelo Estado e possui estimativa de conclusão de 60 dias. A nova Cadeia Pública terá 400 vagas e será erguida através da permuta do imóvel da Federação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH) com o Grupo Zaffari. O governo estadual espera assinar a ordem de serviço dentro de 60 dias, com prazo de execução de 180 dias.

Somados, os dois CTs já em operação e as novas unidades representam 680 vagas para presos provisórios. “Não se faz Segurança Pública sem uma estrutura carcerária adequada. Para tanto, priorizamos esta questão. Este esforço nos garantirá um novo fôlego”, garante o secretário, que também projeta a abertura de uma nova galeria da Penitenciária de Canoas 2, com 144 vagas, dentro de 30 dias.

Deixe seu comentário