Atualmente coletivo conta com 18 empreendedoras locais

Representatividade.Coletivo busca dar visibilidade ao trabalho das mulheres negras do município

Integrando a programação dos 105 anos da Associação Cultural Beneficente (ACB) Floresta Montenegrina, foi lançado oficialmente neste domingo, 12, o coletivo Empreendedoras Negras de Montenegro. O coletivo tem como objetivo representar, unir e empoderar as mulheres negras do município, reforçando a sua capacidade de desenvolvimento do comércio e cultura local, buscando assim diminuir a desigualdade racial na sociedade montenegrina.

Atualmente o coletivo conta com 18 mulheres negras empreendedoras, no ramo de artesanato, estética feminina, moda e vestuário, alimentação, serviços de saúde, serviços de educação e assessoria para pequenos negócios. Para a atual presidente da ACB, o coletivo vem como um braço forte da Associação. “A gente sabe que a comunidade ainda no Vale do Caí pouco olha para o trabalho realizado pelas mulheres negras, e a gente quer incentivar, principalmente esse olhar empreendedor que nos acompanha ao longo da história”, explica.

Letícia conta que inicialmente foi pensado a proposta do coletivo, e então foi realizada uma primeira sensibilização com as mulheres. Após se conhecerem em um brechó presencial, foi marcado a primeira reunião de fundação e agora já são diversos os planos do grupo. “A gente está programando encontros mensais com elas, de formação, treinamento, assessoria e marketing”, relata. A mulher negra empreendedora que possui vontade de conhecer e fazer parte do coletivo basta entrar em contato com Letícia Santos pelo número (51) 982419974.

Professora da rede municipal, Maria Cristina Ferreira, a Cris, começou a fazer artesanato durante a pandemia, e hoje já faz diversas encomendas para fora. “Eu faço artesanato com cuias, pérolas, algumas lembrancinhas para aniversário, etc.”, exemplifica.

Cris é professora e iniciou no artesanato durante a pandemia

Integrante também da Confraria das mulheres empreendedoras de Montenegro, Cris está muito animada com o coletivo. “Vou participar com muito gosto, quero ajudar, e vai ser bem legal. […] Esse convívio é muito bom, dividir com os outros, poder fazer uma troca entre a gente”, completa. Quem desejar conhecer um pouco mais do trabalho dela pode seguir a página no Instagram “mc.artesanatos”.

Na ocasião do lançamento do coletivo também foi realizado um brechó em prol da reforma da sede da ACB. Roupas, acessórios, artesanatos, plantas e alimentos foram alguns dos itens vendidos durante todo o dia. “O brechó da reforma é uma iniciativa que eu tenho avaliado como muito bem sucedida. A comunidade tem doado de tudo, de roupas novas, roupas usadas, sapatos, objetos de decoração, etc; e em contrapartida as pessoas vem procurando isso e daí a gente tem incentivado a muda sustentável”, diz Letícia.

Roupas novas e usadas foram vendidas no brechó da Sociedade Floresta

Deixe seu comentário