O Fiat Uno teve a frente destruída pela força do impacto com a caminhonete

ULTRAPASSAGEM em local proibido e pista com desnível resultaram na tragédia

Érikis Cardoso de Azeredo, de 23 anos, pode dizer que “nasceu de novo”, já o amigo dele, Dieiki Teixeira Arnt, de 31 anos, não teve a mesma sorte. Por volta das 16h desse sábado, 4, ambos sofreram um grave acidente de trânsito na altura do quilômetro 18 da RSC-287, na localidade de Muda Boi, em Montenegro. Dieiki, que conduzia um Fiat Uno (placas de Taquari), acabou morrendo. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual, uma ultrapassagem em local proibido e problemas na estrutura da pista foram fatores determinantes para a tragédia. O sobrevivente do acidente lembra detalhes daquele dia.

Dieiki Teixeira Arnt e Érikis Cardoso de Azeredo (com a camiseta do Grêmio) se conheceram na Igreja

A colisão envolveu o Fiat Uno em que estavam os rapazes, que se deslocava no sentido Triunfo/ Montenegro, e uma camionete GM S-10 (placas de Montenegro) que estava na direção oposta. Próximo à Estrada da Sanga Funda, um veículo que não foi identificado forçou ultrapassagem ao Uno e entrou em rota de colisão frontal com a camionete.

A condutora da S-10 tentou evitar o choque realizando uma manobra evasiva, todavia as rodas entraram em uma valeta no acostamento levando à perda de direção. Quando o veículo retornou à pista, acabou colidindo na lateral do Uno, vitimando seu condutor. Érikis e a condutora da caminhonete ficaram feridos e foram levados para atendimento no Hospital Montenegro.

A PRE disse que o veículo que causou o acidente fazia ultrapassagem em local proibido. O motorista não permaneceu no local para prestar esclarecimentos. A única informação é de que tratava-se de um carro preto, cujo modelo não foi identificado.A perícia do IGP chegou ao local no começo da noite. O laudo pericial deve esclarecer detalhes sobre o acidente.

Érikis e Dieiki saíram de Taquari para vir a uma agencia bancária em Montenegro. “Nós dois queríamos sacar dinheiro”, conta o rapaz. Ainda abalado, ele lembra da própria reação diante do fato. “Quando consegui sair pela janela da porta do caroneiro fiquei desnorteado, mas consciente do ocorrido. Não sabia para quem ligar, achando que estava em um sonho. Quando fui ver o Dieiki estava de barriga para baixo, já sem vida”, conta Érikis. “Chamei pelo nome dele, mas não obtive retorno. Fiquei em choque por não acreditar que ele havia partido, mas ao mesmo tempo agradecendo à Deus por ter sobrevivido”.

Um “degrau” no acostamento impediu a manobra que poderia ter evitado a tragédia

Érikis sofreu um corte circular acima da testa e fraturou o osso do antebraço esquerdo. Ele passou a noite no HM e foi liberado no domingo, 5, mesmo dia em que seu amigo foi sepultado no Cemitério dos Almeidas, em Taquari.
Os amigos se conheceram em 2017, na Igreja Evangélica Quadrangular do bairro Caieira em Taquari. “Ele era sorridente, brincalhão, esforçado, dedicado e muito fiel à Deus”, comenta Érikis.

Dieiki era solteiro, não tinha filhos e morava com a mãe e a irmã. Seus amigos e familiares substituiram suas fotos de perfil nas redes sociais por uma arte com a imagem da vítima e o texto “Estou em luto por um amigo”. Diversas homenagens foram postadas. “Para mim você não tinha defeitos. Um cara de coração puro. Tive a honra de conhecer há muitos anos”, escreveu um amigo a ele. “Mais uma vítima da imprudência no trânsito. Que o eterno te abrace nessa hora”, disse outra conhecida.

Deixe seu comentário