Investimento. Melhorias de equipamento avaliadas em R$ 350 mil são promovidas pelo Serviço Geológico do Brasil

O Sistema de Alerta Hidrológico do Rio Caí, operado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), recebeu investimento de R$ 350 mil. O valor foi utilizado para aquisição e instalação de novos equipamentos, que estão localizados nas cidades de São Francisco de Paula, Caxias do Sul, São Vendelino, Harmonia, São Sebastião do Caí e Montenegro. O processo de modernização envolveu a substituição gradual das sete plataformas de Coletas de Dados Automáticos (PCDs), que operavam com transmissão via GSM/GPRS (telefonia celular) desde 2010, por novas plataformas que realizam transmissão via satélite (GOES) e possuem sensores mais resistentes. O uso da nova tecnologia terá como resultado mais precisão e garantia da informação.

Após a instalação e operação dos novos equipamentos, foi dado início à segunda fase da modernização do Sistema de Alerta do Rio Caí, que tem por objetivo ampliar o tempo de previsão antecipada do alerta para enchentes na bacia. O engenheiro hidrólogo da CPRM, Emanuel Duarte Silva, enfatiza a importância do melhoramento do modelo atual de previsões de níveis, composto de redes neurais artificiais, treinadas para as situações representadas pelas séries dos dados contínuos obtidos no período de operação do Sistema de Alerta Hidrológico (SAH) de 2010 a 2018.

Conforme a engenheira hidróloga da CPRM, Andrea Germano, as atividades de um SAH estão em constante processo de modernização e inovação para obter maior precisão e confiabilidade no monitoramento e nas previsões feitas para a sociedade. “Os novos equipamentos minimizarão a falha de envio das informações, contudo, em caso de falha, os engenheiros e técnicos de plantão na CPRM levantam as informações via observadores ou por meio do deslocamento das equipes ao campo para realizar as leituras nos equipamentos”, relata.

Ela explica que o SAH Caí, assim como os outros operados pela CPRM, é formado por um conjunto de estações de monitoramento hidrológico que dão subsídios para a realização de previsões de nível de rios para áreas socialmente vulneráveis a inundações através da medição do nível das águas do Rio Caí e afluentes. Além de servir para avisar entidades sobre possíveis cheias, os dados transmitidos remotamente são armazenados e disponibilizados ao público, em tempo real, no portal da CPRM (http://www.cprm.gov.br/).

Deixe seu comentário