diretor da Fundarte, André Wagner, Lório Schrammel, diretor do Sinodal, Sílvio Campos, do Instituto Pearson e André Haar, embaixador do Leiria

Colégio divulgou ainda novo Programa Bilíngue e cessão de vagas à Fundarte

Na noite de ontem, a direção do Colégio Sinodal Progresso reuniu a comunidade escolar no Clube Riograndense para o anúncio de três importantes novidades para 2019. Uma das mais marcantes é a parceria com o Instituto Politécnico de Leiria, de Portugal. O acordo foi assinado no evento.

Com ela, alunos concluintes do Ensino Médio do Colégio têm a possibilidade de continuar seus estudos na instituição européia. O Leiria oferece 44 cursos de graduação em cinco áreas: tecnologia e gestão; saúde; educação e ciências sociais; tecnologia do mar; e artes e design. Todos são reconhecidos pela União Européia.

A Rede Sinodal é a única do estado com parceria com o Instituto. Conforme o diretor do colégio montenegrino, Lorio José Schrammel, foi realizada uma avaliação de todas as escolas da rede para a escolha das contempladas. “Tivemos reunião com eles, eles analisaram a situação e, pelo desempenho que nossos alunos tiveram no Enem, fomos aprovados. Essa é uma grande oportunidade para os nossos estudantes”, destacou.

A parceria estará valendo no ano que vem e os alunos interessados vão precisar apresentar suas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para uma pré-seleção que prioriza as maiores pontuações. Estudantes com mais de 700 pontos têm chance de ganhar bolsas. “Portugal reconhece que deixou muito legado em diversos países. Então, ele tem aberto portas não só para o Brasil como para outras nações de Língua Portuguesa. No caso da Escola Sinodal, os alunos terão facilidade de estudo em Portugal, com preços baixos”, destaca o embaixador do Leiria no Brasil, André Haar.

Alunos da Fundarte vão ganhar bolsas no Colégio
Replicando uma parceria que a instituição já tinha com a Associação Cultural Educando para o Futuro de Harmonia (ACEFH), de Harmonia, o Sinodal assinou ontem um termo de parceria com a Fundarte. Por meio dele, alunos de Música da instituição pública terão acesso a bolsas de estudo para cursar a educação básica no Colégio.

Serão ofertadas 12 vagas por ano. Conforme o diretor Lorio, será observada a situação socioeconômica do aluno para o enquadramento nas bolsas. Ele pode receber isenção de 50 ou de 100% nas mensalidades ou, dependendo do caso, ganhar um desconto comercial de 30%. A disponibilidade de instrumentistas para o Conjunto Instrumental do Sinodal também será critério para definir a escolha de quem receberá a vaga.

“Com isso, todos os alunos que fazem Música na Fundarte podem ser alunos no Sinodal. Isso começa em 2019, sendo renovado a cada ano. Nosso desejo é que perdure por muito tempo”, destaca o dirigente. O diretor executivo da Fundarte, André Wagner, destacou a importância da parceria. “É mais um benefício que a gente pode oferecer para nossos alunos aprofundarem seus conhecimentos. Arte e educação andam juntas. Essa parceria com o Sinodal é muito importante para Fundarte”, sublinhou.

E para fechar a noite, o Progresso lançou seu novo Programa Bilíngue. O projeto parte de uma parceria com o Instituto Pearson, e vai começar oferecendo a vivência do inglês para alunos da Educação Infantil.

A ideia da instituição é, ano após ano, ir aumentando a abrangência do Programa até que ele abarque todos os segmentos do colégio. “Nós estivemos, neste ano, em dois seminários da rede Sinodal que apontam para essa necessidade de as escolas se tornarem bilíngues ou terem programas bilíngues”, explica o diretor Lorio.

“O nosso vai começar agora em 2019. Acredito que sejamos uma das únicas escolas do Vale do Caí que tem esse projeto”, comenta. O método de ensino se difere das escolas de idiomas principalmente pelo fato de que os alunos irão vivenciar conteúdos de disciplinas como matemática, biologia e sociologia, entre outros, com material didático em inglês.

Ao todo serão cinco horas aulas por semana no contraturno escolar. “A metodologia é baseada na imersão. Os alunos terão aulas com material importado, eles vão aprender a pensar usando outras disciplinas. Essas crianças terão a oportunidade de ter um certificado internacional sem sair da cidade onde moram”, explica Sílvio Campos, consultor acadêmico na área bilíngue da Pearson.

Deixe seu comentário