Cooperativa de crédito com atendimento diferenciado e ambiente colaborativo. Foto: divulgação Sicredi

O Dia Internacional das Cooperativas de Crédito (DICC), celebrado anualmente na terceira quinta-feira de outubro, foi comemorado neste dia 21. A data destaca a contribuição e as transformações positivas geradas pelo segmento na sociedade. Como a primeira instituição financeira cooperativa do Brasil, o Sicredi aproveitou a data para disseminar conhecimento sobre o modelo de negócio, abordando seu crescimento e atuação. Hoje o banco está em 25 estados e no Distrito Federal com mais de cinco milhões de associados.

Parte integrante do Sistema Sicredi, a Sicredi Ouro Branco conta, atualmente, com mais de 72 mil associados em 21 municípios dos Vales do Caí e Taquari. A instituição está presente com 23 agências, impulsionando o desenvolvimento da região em que atua através do apoio às comunidades e incentivo a educação, cultura e esporte, construindo sociedades mais prósperas.

O crescimento das cooperativas de crédito tem sido evidenciado pelo Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (World Council of Credit Unions – Woccu). Os registros mais recentes contemplam que o segmento conta com mais de 375 milhões de associados e 86 mil cooperativas de créditos em 118 países. A taxa de penetração – que é calculada dividindo o número total de membros de cooperativas de crédito pela população em idade economicamente ativa de 15 a 64 anos – é de 12,18% no mundo, 16,47% na América Latina e 8,13% no Brasil. Já nos Estados Unidos e Canadá, essa taxa apresenta 58,6% e 42,2% respectivamente.

No Brasil são 11,9 milhões de associados (sendo 10,2 milhões pessoas físicas e 1,7 milhão pessoas jurídicas) em 847 cooperativas, que somam cerca de 371,8 bilhões em ativos totais, segundo panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) em 2020. Esses dados representam um crescimento no número de associados, com aumento total de 9,4% em relação a 2019 e um salto de 42,1% se comparado há cinco anos, em 2016.

Benefícios econômicos gerados pelo cooperativismo
O crescimento do modelo cooperativo no Brasil traz avanços econômicos, que foram demonstrados pelo estudo “Os benefícios econômicos do Cooperativismo de Crédito”, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Ele analisou dados econômicos de todas as cidades brasileiras, com e sem cooperativas de crédito, entre 1994 e 2017 e cruzou informações do Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE).

O trabalho concluiu que o cooperativismo de crédito incrementa o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%. Ele cria ainda 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumenta o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando, portanto, o empreendedorismo local.

Compartilhar

Deixe seu comentário