Alguns estabelecimentos optaram por restringir o número de clientes que entram cada vez. Filas se formam nas portas
Produtos de limpeza foram um dos itens mais procurados em mercados na manhã desta sexta-feira

No primeiro dia após o decreto de situação de emergência em razão da pandemia do novo coronavírus e que restringe a abertura do comércio assinado pelo prefeito Carlos Eduardo Müller, o Kadu, Montenegro vive uma manhã de ruas vazias e mercados cheios. Nesta sexta-feira, dia 20, apesar da orientação de evitar aglomerações, diversas pessoas foram às compras nos estabelecimentos que, conforme o decreto municipal, podem seguir funcionando normalmente. A alta demanda acabou gerando a falta momentânea de alguns produtos nas prateleiras.

Morador do interior de Montenegro, Edson Luiz Gomes, 63 anos, aguardava com a esposa a sua vez de entrar num mercado que está restringindo o acesso a grupos de 20 pessoas por vez. Edson faz parte do grupo de risco e teria direito a fazer suas compras em horários específico, como determinado por decreto do Governo do Estado. No entanto, ele não sabia da medida. Mas não é por isso que Edson deixa de seguir demais cuidados e orientações das autoridades de saúde. “Faço parte do grupo de risco, por isso o cuidado é redobrado. Já lavei tanto as mãos que os dedos estão murchos”, comentou.

Sobre a ida ao mercado, o idoso diz que ele e a esposa deverão fazer uma compra maior do que as normalmente fazem. “Geralmente fazemos compras duas vezes por semana, mas agora iremos comprar além do comum para evitar ficar saindo”, explicou. Inclusive, Edson planejava que sua ida ao mercado nesta sexta-feira fosse sua última saída de casa pelos próximos dias. O morador do interior de Montenegro também já mudou sua rotina e cita como exemplo o fato de ter deixado de frequentar lanchonetes.

Deixe seu comentário