Rodovia federal apresenta diversos remendos e buracos no trecho ainda não recuperado. Dnit não deu prazo para que obra de revitalização da BR-470 seja retomada

Trânsito. Trabalhos na ERS-124 já tiveram início e BR-470 recebe reparo paliativo. ERS-411 não tem prazo para reforma

Não são apenas as rodovias estaduais que sofrem com o descaso do Poder Público. A BR-470, que liga o Vale do Caí à Serra Gaúcha, é outra importante via que vem sendo negligenciada. As chuvas das últimas semanas fizeram com que mais buracos e rachaduras aparecessem na via, exigindo ainda mais atenção dos motoristas que por ali trafegam. O trecho mais crítico é o entre Montenegro e São José do Sul.

Por meio da Unidade Local de Vacaria, o Departamento Nacional de Infraestrura de Transportes (Dnit), informa que atualmente as equipes já estão fazendo um serviço de tapa-buraco no trajeto em questão. A reportagem do Ibiá trafegou pelo trecho no início da tarde de terça-feira e observou que em apenas alguns pontos foram feitos reparos emergenciais.

O empresário Cesar Bohn, 50 anos, diz que a situação está bastante crítica. “Falta conservação. A buraqueira está demais”, afirma. Segundo ele, a reclamação sobre os buracos e rachadura é constante entre motoristas. “Está bem ruim, mas não é só aqui. O motorista precisa manter o cuidado”, alerta. A empresa de Cesar fica localizada às margens da rodovia, em São José do Sul, e o empresário observa que o pior estado de conservação se dá no sentido a Montenegro, uma vez que em direção a Salvador do Sul, a partir do quilômetro 277, a BR-470 foi recuperada pelo Dnit no começo do ano.

As obras de recuperação da via iniciaram em fevereiro e deveriam ter sido concluídas em março. Porém, elas foram paralisadas pela falta de liberação de recursos para sua continuidade. De acordo com o Dnit, a autarquia aguarda recursos financeiros solicitados ao Governo Federal para dar andamento ao restauro do pavimento. “Tão logo estes recursos estejam disponíveis, consequentemente haverá retomada das obras nos demais trechos”, garante a autarquia. A recuperação da via está avaliada em R$ 7 milhões. Além do recapeamento, foi executada no trecho já revitalizado uma nova sinalização horizontal.

Situação na 411 e na 124 gera reclamações
Na última semana, o Daer informou que o contrato de Conserva Rotineira da 11ª Superintendência Regional, de Lajeado, está renovado. Porém, primeiro a empresa contratada irá retomar os trabalhos na ERS-436, em Taquari, para depois atuar na ERS-411. Assim, a rodovia que liga Montenegro a Brochier e Maratá segue sem previsão de receber manutenção. O péssimo estado de conservação gera muitas reclamações por parte dos usuários da via e movimentam lideranças regionais.

Prefeito de Maratá, Fernando Schrammel, esteve em contato com o superintendente da 11ª Superintendência Regional do Daer e recebeu a informação de que uma nota de serviço já havia sido emitida para a empresa responsável pela manutenção do trecho.

Segundo o engenheiro Fabiano de Oliveira Pereira, Superintendente Regional da 11º Superintendência Regional do Daer, há contrato com a empresa Giovanella para recuperação da rodovia, o que deverá ocorrer em breve. Porém, pelas condições do trecho, também foi emitida nota de serviço para realizarem operação tapa buracos ainda nesta semana.

Na ERS-124, no trecho que liga Montenegro a São Sebastião do Caí passando por Pareci Novo, a situação é uma pouco mais amena que na ERS-411, mais igualmente crítica. Buracos profundos causam prejuízo aos motoristas. Responsável pelo traçado, a 1ª Superintendência Regional do Daer, de Esteio, já trabalha na recuperação da via. As obras de fresagem e recomposição do pavimento nos pontos críticos iniciaram nas pontes que ligam Pareci Novo a São Sebastião do Caí e devem seguir, agora, no sentido a Montenegro.

Deixe seu comentário