Dentre os integrantes do grupo Remadores Montenegro, há pessoas de todas as idades e de diversos municípios da região. Foto: Divulgação/Remadores Montenegro

Grupo reúne cerca de 100 pessoas do Vale do Caí e outros municípios

É nas águas tranquilas do Rio Caí que, há quatro anos, um grupo de pessoas se reúne para praticar esporte. O Remadores Montenegro já agrega quase 100 pessoas de Montenegro, São Sebastião do Caí, Guaíba, Florianópolis e Garopaba, que aliam o remo com amizade e projetos sociais.

Grupo se reúne ocasionalmente para a prática do esporte

Sem data fixa para as remadas, os praticantes de stand up paddle e caiaque comemoraram seu aniversário recentemente, no final de dezembro. Fabiano Dias de Lima, 44, é um dos idealizadores do grupo, e assim como muitos, o seu início no esporte se deu graças à curiosidade e incentivo.

“Eu via um montenegrino colocando seu equipamento [Standup] na água e me chamou à atenção, porque eu sempre tive curiosidade, enfim, de ficar em pé em cima de uma prancha, mas não me via surfando”, diz. Um dia ele resolveu abordar o remador, que deu as coordenadas para começar no esporte, e até hoje Fabiano é grato por esse momento.

Assim que adquiriu os equipamentos Lima já começou a remar, e apresentou o esporte para o irmão, que reuniu mais cinco remadores para o novo grupo que tomava forma. Segundo ele, no início foi gratificante saber que muitas pessoas da cidade praticam o stand up e o caiaque. “Era praticamente no inicio e nós fazíamos remadas quase todos os dias, a gente chegou a fazer uma remada noturna, que foi para os fortes”, recorda.

Fabiano Dias De Lima é um dos idealizadores do grupo

Ele conta que na remada noturna tinham pessoas de Santa Maria, Guaíba e de todos os cantos do Estado e de fora. Mesmo com muita chuva e raios eles remara, e quando chegaram ao Cais familiares estavam esperando, com medo do pior. “Nós resistimos a isso tudo e estamos fortes até hoje na prática do remo”.

No grupo, regras precisam ser seguidas, e assuntos polêmicos como política, futebol, religião, sexo e drogas são proibidos. Alguns praticantes não gostam e saem por livre espontânea vontade, mas Fabiano relata que sempre tem um novo remador aderindo ao grupo.

“Protetores do Rio Caí”
O Remadores Montenegro realizam diversos projetos sociais envolvendo a comunidade, principalmente com os bairros que ficam na orla do rio. “Também realizamos bastante projetos em relação ao Rio Caí. Nós nos julgamos protetores do Rio Caí, e os projetos que lhe envolvem, nos envolvem também. Já fizemos projetos de reflorestamento, repomos alevinos no rio, com parcerias é claro”, fala Fabiano.

Além disso, os remadores também fizeram muitos projetos com escolas no ano de 2019, dentre elas palestras e limpezas do rio. “Foi bem legal, porque revezamos bastante os integrantes do grupo, então muitas lideranças conseguiram tempo disponível para ir nas escolas”. Para Fabiano, o envolvimento das crianças é muito importante, porque é neles que será plantado a semente do bem para que o rio seja cada vez melhor.

Caí é um dos principais rios em que praticam o esporte. Foto:Divulgação/Remadores Montenegro

Um esporte para todos
O grupo agrega a família e possui integrantes de todas as idades. De acordo com o remador Fabiano, eles buscam envolver também a família, a sociedade, e o meio em que vivem. “Fora o condicionamento físico, o remo libera o stress, e como qualquer prática de esporte o remo traz muitos benefícios. Eu recomendo muito, e quem tiver interessado em participar não precisa comprar equipamento antes, é só chegar em nós”, diz.

Para quem tem interesse em começar na prática do esporte pode entrar em contato com alguém do grupo pela sua página no Facebook: Remadores Montenegro, ou procurar qualquer integrante do grupo. “Como fizeram comigo um tempo atrás, nós podemos passar todas as instruções e ajudar todo mundo que quiser entrar nessa prática, que é muito saudável”, completa Fabiano.

Deixe seu comentário