Foto: reprodução/Internet

Descartado. Morador de Salvador do Sul está em casa e passa bem

Nas últimas semanas, um novo temor na saúde pública passou a assolar o planeta: o coronavírus, que está alarmando as autoridades médicas na China, onde já causou mortes. No Brasil, não há nenhum caso confirmado, mas são monitoradas ocorrências suspeitas – quando há sintomas similares e a pessoa esteve em viagem recente à China. Foi o caso de um gaúcho, morador de Salvador de Sul, de 46 anos, que no início do ano esteve no país asiático. O Ministério da Saúde descartou a hipótese de coronavírus neste caso e em todos os demais que foram considerados suspeitos no Brasil até o momento.
À reportagem do Jornal Ibiá, a secretária municipal da Saúde e Ação Social de Salvador do Sul, Márcia Ebbing Eckert, confirmou que o caso que foi analisado no Estado é de um salvadorense. Segundo Márcia, o paciente passa bem e está em casa. O resultado do exame que afastará completamente a suspeita tem o prazo de 10 dias, vencendo nesta terça-feira, dia 28, mas o Ministério da Saúde já descartou a possibilidade. Segundo informações da secretaria estadual da Saúde (SES/RS), o homem – que foi o único do Estado com suspeita de coronavírus até o momento – viajou a trabalho para a China, onde ficou 18 dias, apresentou tosse e febre, sem sinais de gravidade nem motivos para ficar internado. Como no período em que ficou na China não esteve em Wuhan e nem teve contato com pessoas doentes deste Município, a hipótese foi descartada, conforme definição de caso suspeito preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O órgão estadual de Saúde também divulgou que já está orientando a rede de saúde pública e privada do RS com recomendações de alerta e definição de fluxo de notificação de casos suspeitos. “A Secretaria da Saúde está trabalhando em conjunto com o Ministério da Saúde, que já instalou o Centro de Operações de Emergência (COE), e com a Anvisa do Rio Grande do Sul. Até o momento, não há orientações das autoridades sanitárias em relação a restrições de viagens/viajantes”, complementa a manifestação divulgada pela SES/RS.

Recomendações à rede de saúde
A OMS detectou que a transmissão está acontecendo entre familiares e profissionais de saúde em contato com indivíduos infectados na cidade de Wuhan, na China, que é, até o momento, o único local conhecido com transmissão. Para os casos suspeitos é recomendado que o paciente use máscara cirúrgica logo no início e seja mantido em quarto privativo. Os profissionais devem usar medidas de precaução padrão. Casos graves devem ser encaminhados para um hospital de referência, e os leves, acompanhados pela atenção básica em saúde.

No mundo, mais de 2 mil casos

O coronavírus já atingiu mais de 2 mil pessoas na China e o número de mortes alcança 80 no último balanço divulgado pelo governo chinês. Cerca de 300 pessoas estão em estado grave. Segundo oficiais da província de Hubei, 52 de todas as mortes foram registradas na região. A capital, Wuhan, onde o surto teve início, é a cidade mais afetada pelo vírus. Além da China, Hong Kong (8 casos), Tailândia (8), Macau (5), Austrália (4), Japão (4), Malásia (4), Cingapura (4), Taiwan (4), Coreia do Sul (3), Vietnã (2) e Nepal (1) também tiveram casos confirmados.

Este vírus também chegou à Europa, com três casos na França. Já na América do Norte, são três casos nos Estados Unidos e um no Canadá. Até o momento não há registro de casos na América do Sul. As informações são do Centro de Ciência e Engenharia da universidade Johns Hopkins, de Baltimore (EUA).

Precaução em viagens
– Atenção para detectar suspeitos;
– Orientação para notificação imediata destes casos;
– Elaboração de avisos sonoros com recomendações sobre sinais, sintomas e cuidados básicos;
– Intensificar procedimentos, limpeza e desinfecção de Equipamentos de Proteção Individual (EPI);
– Orientar equipes dos postos médicos quanto à detecção de casos suspeitos;
– E atender a possíveis solicitações de listas de viajantes para investigação de contato.

Tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus
O Ministério da Saúde esclareceu algumas dúvidas sobre o assunto. Confira:

O que é o novo coronavírus?
É um vírus que tem causado doença respiratória pelo agente coronavírus, recentemente identificado na China. Os coronavírus são uma grande família viral, conhecidos desde meados de 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderadas, semelhantes a um resfriado comum. Alguns coronavírus podem causar doenças graves com impacto importante em termos de saúde pública, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), identificada em 2002 e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), identificada em 2012.

Qual a forma de transmissão do vírus?
Ainda não está claro com que facilidade o novo coronavírus se espalha de pessoa para pessoa. As investigações estão em andamento, mas a disseminação do novo coronavírus está ocorrendo e pode ser de forma continuada.

Quais são os sintomas do novo coronavírus?
Os sinais e sintomas clínicos são principalmente respiratórios, como febre, tosse e dificuldade para respirar. O caso suspeito deve utilizar máscara cirúrgica e ser acomodado em quarto privativo. O profissional de saúde deve coletar as amostras respiratórias e encaminhar os casos graves para um hospital de referência para isolamento e tratamento.

Existe alguma forma de prevenção?
Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, orienta-se que sejam adotadas medidas gerais de prevenção, como realizar frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir alimentos, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca. Além disso, não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas, manter os ambientes bem ventilados, evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença.

Novo Coronavírus está gerando preocupação no mundo todo. Na China, mortes foram registradas. Foto: Divulgação Agência Brasil

Caso o vírus chegue ao Brasil, quais serão as medidas adotadas?
O Governo Federal brasileiro adotou diversas ações para o monitoramento e o aprimoramento da capacidade de atuação do país diante do episódio ocorrido na China. Entre essas ações, estão a adoção das medidas recomendadas pela OMS; a notificação da área de portos, aeroportos e fronteiras da Anvisa; a notificação da área de Vigilância Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA); e a notificação às Secretarias de Saúde dos Estados e Municípios, demais Secretarias do Ministério da Saúde e demais órgãos federais com base em dados oficiais, evitando medidas restritivas e desproporcionais em relação aos riscos para a saúde e trânsito de pessoas, bens e mercadorias.

O SUS tem tratamento para a doença?
Não existe medicação específica para o vírus. O tratamento é feito com base nos sintomas de cada paciente.

Qualquer hospital pode receber esse paciente?
Os casos graves devem ser encaminhados a um Hospital de Referência estadual para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde e instituídas medidas de precaução domiciliar.

Qual é a diferença dessa doença para uma gripe, já que os sintomas são parecidos?
No início da doença, não existe diferença quanto aos sinais e sintomas de uma infecção pelo novo coronavírus em comparação com os demais vírus. Por isso, é importante ficar atento às áreas de transmissão local. Apenas pessoas que tenham sintomas e tenham viajado para, até o momento, a província de Hubei, com o epicentro em Wuhan e a província de Guangdong, na China são suspeitos da infecção pelo coronavírus.

Qual é a orientação para quem for viajar para os países que estão com doença em circulação?
Até o momento, as únicas áreas com transmissão local do vírus são a província de Hubei, com o epicentro em Wuhan e a província de Guangdong, na China.

Tive contato com pessoas que vieram da China recentemente? O que devo fazer?
Até o momento, nenhum caso suspeito de infecção pelo novo coronavirus no Brasil se enquadra na definição de casos da OMS. Portanto, não temos transmissão local. Dessa forma, não existe nenhuma recomendação específica para quem teve contato com pessoas que viram da China.

Quais precauções devo tomar se viajar para a China?
Os indivíduos que estiveram na província de Hubei, com o epicentro em Wuhan e a província de Guangdong, na China e manifestarem os sintomas do coronavírus devem procurar imediatamente os serviços de saúde notificados. Além disso, devem seguir as recomendações da resposta anterior.

Deixe seu comentário