Carina Luft teve seu conto “Trinda dias depois” selecionado entre 125 autores. Foto: Divulgação/Daniel Pinheiro

Em meio ao isolamento social em decorrência do novo coronavírus, diversas pessoas e entidades foram prejudicadas. Porém, para ajudar nessa situação muitas iniciativas foram criadas por todo o Brasil. Esse é o caso da editora Palavra Bordada que lançou o livro Quarentenas: textos de uma quarentena criativa, que, além de incentivar a produção literária e a leitura, terá todo o seu valor arrecadado na compra da edição destinado ao Centro de Educação São João Calábria, de Porto Alegre, que visa ajudar crianças, adolescentes, idosos e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

O e-book finalizado em menos de três meses e lançado na última semana, reúne crônicas e contos assinados por 41 autores brasileiros. Eles foram selecionados numa disputa que contou com a participação de 125 autores. A montenegrina Carina Luft foi uma das que teve seu texto publicado.

“Quando soube da abrangência nacional e do número de participantes, fiquei um pouco insegura achando que não seria selecionada, afinal, tinha muitos autores bons participando, e gente de várias regiões do país. Escrever um bom conto é um negócio difícil, pelo menos para mim que sou romancista. Bom, quando recebi o e-mail com as notícias, vibrei”, relata Carina. Se dedicando especialmente ao romance policial, Carina fez parte de antologias de contos, escreveu para o teatro e lançou seu primeiro livro em 2010. Fetiche foi finalista do Prêmio Açorianos em 2011 e publicado na Alemanha em 2013 pela Abera Verlag. Em 2014, ela publicou seu segundo romance, Verme. Carina também já foi patrona da Feira do Livro de Montenegro.

Segundo ela, saber que a arrecadação das vendas seriam direcionadas para uma instituição educacional que foi afetada pela pandemia, foi crucial para a sua participação. “Pensei no quanto eu poderia ajudar o coletivo sem sair de casa, era a Literatura cumprindo o seu papel social. A Literatura, como qualquer outra expressão artística tem essa função de humanizar, acolher, aproximar e estimular a reflexão”, diz a escritora. Para a montenegrina a leitura é o melhor aliado nesse momento de pandemia, pois tranquiliza a mente e afasta pensamentos ruins, além de educar e preparar o leitor para novas experiências.

A publicação traz situações do cotidiano nessa pandemia, com os temas mais variados como maternidade e home office, solidão, terceira idade e reencontro consigo mesmo. “A ideia foi abordar diferentes temas e situações recorrentes. Alguns mostram o retrato da realidade diante da quarentena, outros trazem reflexões e situações inusitadas”, explica a designer Camila Provenzi.

No seu conto, “Trinta dias depois”, Carina aborda a vida de um profissional bem sucedido, um economista, trabalhador de uma multinacional, que se vê sozinho em meio a pandemia. Ela conta que o personagem mora fora do Brasil e dedicou-se exclusivamente (e de forma ambiciosa) à sua carreira, deixando de lado a sua família. “O distanciamento social, a quarentena, permitiram-no experimentar um outro estilo de vida. E, dentro de trinta dias, ele transforma a sua vida”, instiga.

O livro solidário faz parte do projeto “Quarentena Criativa”, da editora Palavra Bordada, e todo o trabalho desenvolvido nele, desde a parte da escrita até a edição e finalização foi feito de forma voluntária. Além disso, quase 70% dos autores estão tendo um texto publicado pela primeira vez. São os mais variados perfis, com pessoas que vivem por todo Brasil e também no exterior.

“Além de oferecer um importante conteúdo para o momento que estamos vivendo, o livro é uma oportunidade para escritores ainda não conhecidos terem sua primeira publicação”, explica a jornalista Carolina Rocha, sócia da editora. O livro custa somente R$ 19,90 e pode ser baixado em qualquer plataforma digital. (MG)

Deixe seu comentário