O tema sorteado para o bate-papo entre Lica e o candidato Ricardo foi “Saúde”

Ricardo Kraemer é o quarto convidado do quadro do Ibiá

Convidado dessa semana do quadro “Pronto. Falei!”, o candidato Ricardo Kraemer, do PT, falou sobre as atuais demandas e os seus projetos de governo para a área da Saúde em Montenegro. Escolhido através de sorteio, o prefeiturável apontou que falta um diagnóstico mais apurado das vulnerabilidades da população montenegrina; trabalho que começa junto aos agentes de Saúde, e que é imprescindível para o encaminhamento de projetos para a vinda de mais investimentos na área.

Mostrar ideias como essa dentre os candidatos à Prefeitura de Montenegro é justamente o objetivo do “Pronto. Falei!”. Apresentado pela diretora do Jornal Ibiá, Maria Luiza Szulczewski, a Lica, o bate-papo com Ricardo ocorreu na tarde desta quinta-feira, dia 29, e foi transmitido ao vivo pelo Facebook da frente do Hospital Montenegro. O local, onde apresentadora e convidado nasceram, foi definido por Lica como “um importante abrigo da comunidade” que precisa de atendimento médico. Não havia, sendo assim, lugar mais ideal para discutir o tema sorteado para a entrevista.

Para exemplificar a demanda pelo diagnóstico mais preciso das comunidades na área, o candidato recordou tratativas passadas para a instalação de postos de saúde na localidade de Costa da Serra, no interior, e no bairro Estação. No primeiro, segundo ele, já havia até um terreno doado onde seria feita a construção, mas nada saiu do papel. “Se tinha um projeto, ele estava muito falho, porque não chegou a ser concretizado. Isso é sinal de falhas de encaminhamento (junto à Brasília) e, muitas vezes, tem a ver com a falta de diagnótico; de dados que embasem o que o Município faz.”

Ricardo apontou que o tema Saúde é muito sensível junto à União no que se refere à captação de recursos; dizendo que é possível buscar verbas para projetos na área, desde que com um planejamento que tenha início de um diagnóstico das carências existentes. “Essa é uma deficiência que nós temos que suprir”, colocou. “Precisamos nos debruçar em cima de estatísticas e fazer, de forma técnica, concreta e com muito embasamento, com que a Saúde chegue onde, de fato, precisa.”

No caminho para isso, o petista cita a ampliação das equipes de agentes de saúde para que a cobertura chegue a 100% do Município, inclusive no interior. Indo para bairros como o Estação, que ainda não tem atendimento do tipo, os agentes poderiam captar as demandas da comunidade e ainda trabalhar mais fortemente no estímulo à prevenção e hábitos saudáveis. É a proposta, segundo ele, também para ter uma população mais instruída e saudável, diminuindo, no longo prazo, os gastos do Município com o atendimento de pacientes que, com prevenção, não ficam tão doentes.

Candidato falou sobre como a área da Saúde deve ser tratada em seu governo


Pronto Atendimento, HM e, sim, a pandemia

Dentre os assuntos tratados pelo candidato do “Pronto. Falei!” estava o Pronto Atendimento 24h na secretaria de Saúde, instalada na atual gestão Kadu Müller. Ricardo Kraemer elogiou a iniciativa, comparando-a com uma demanda anterior de seu partido, que era pela instalação de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). “Ela não foi construída, mas esse Pronto Atendimento supre, em parte, os atendimentos emergenciais que acontecem. Vamos manter, mas nós achamos que ainda precisa qualificar. Mais equipamentos vão permitir que as pessoas façam os exames ali dentro e que não precisem ir para outros lugares para continuar atendimento”, prometeu.

Outra iniciativa do plano de governo do prefeiturável é a Farmácia Viva, projeto que prevê um local de troca de medicamentos. A pessoa que usou uma medicação, foi curada e ficou com sobra do remédio poderá doar o produto para a Farmácia Viva; que irá, então, beneficiar outra pessoa que tenha necessidade dele. “Existe a possibilidade em Montenegro de devolver o medicamento, mas ela está muito burocratizada e as pessoas desistem de fazer. Vamos achar uma forma, realocar algum servidor ou conseguir alguma parceria para conseguir isso”, disse Ricardo.

Ele apontou que também pretende incentivar, dentro do que já é incorporado pelo SUS, a medicina alternativa, com o uso de chás e afins. Nessa linha, ele cita iniciativas exitosas da Emater, com auxílio e instruções no cultivo de ervas medicinais; e aponta que pode passar pelos agentes de saúde a atribuição por ensinar às comunidades sobre os benefícios de remédios do tipo. “Nem sempre é o remédio que a gente compra na farmácia que vai salvar. Uma medicação mais natural, mais caseira, também ajuda as pessoas”, comentou o candidato.

Sobre o Hospital Montenegro 100% SUS, Ricardo garantiu a busca por alinhamento junto à direção e disse que, através da união com os municípios da região que usam a casa de saúde, é possível ter força para pleitear a vinda de ainda mais recursos e serviços. “Nós podemos juntar esse pessoal todo (as prefeituras), criar projetos e ir para Brasília, para o Estado, e apresentar as propostas com peso político”, destacou.

Nos planos para o hospital da cidade, o prefeiturável citou a busca por mais procedimentos e especialidades, terminando, por exemplo, com as idas de pacientes para outras cidades para fazer quimioterapia. Além de um corte de custos com viagem, isso seria melhorar o atendimento de um paciente que, por doença, já está bastante debilitado. Ricardo também citou uma parceria com a instituição para transformá-la em um polo de educação em saúde, formando pessoas que possam trabalhar na própria atenção básica.

No programa, Lica ainda convidou o candidato a comentar as medidas tomadas pelo Município em meio à pandemia do novo coronavírus. Em sua análise, ele não fez críticas. Apontou que, em termo de testagem, Montenegro seguiu a média dos demais municípios; e que também está correto na decisão de ainda não retomar as aulas presenciais da rede pública no Ensino Fundamental e Infantil.

O prefeiturável salientou, porém, a importância de olhar para os vários efeitos da doença, como as consequências para a Economia. “Quem teve dificuldade, o Poder Público tem que ajudar a conseguir superar essa situação. É o Poder Público que olha por aqueles que precisam de ajuda”, declarou.

Deixe seu comentário