O projeto Rap em Ação promoveu apresentações musicais no sábado

A iniciativa reuniu grupos de rap e hip-hop de Montenegro em um evento realizado neste final de semana

Mauro da Costa e Juliano Souza largaram as drogas para difundir a fé junto aos adolescentes de Montenegro

O Projeto Rap em Ação realizou o primeiro encontro de 2018 neste final de semana. O evento que promove a cultura do hip-hop foi realizado na Lavagem do Tiziu, na rua Capitão Cruz, Centro de Montenegro. Artistas da cidade embalaram a tarde das famílias que prestigiaram a ação.

O Rap em Ação é uma iniciativa do Movimento Hip-Hp de Montenegro (MH2M) em parceria com a Acredit Pruduções. O objetivo do projeto é difundir a cultura hip-hop e promover a integração na sociedade local.

No ano passado foram realizados 12 encontros — um a cada mês em variados bairros de Montenegro. Este ano a ideia é continuar promovendo atividades mensais. Conforme um dos idealizadores do Rap em Ação, MC Pedrão, 50 anos, o movimento vem crescendo e ganhando novos apoiadores passo a passo. Em três anos, o projeto passou por mudanças, uma delas no nome. Deixou de se chamar “Hip-hop Pela Paz” para tornar-se como é conhecido hoje. O que não mudou nesse período foi a proposta de, através da música, evitar que jovens e adolescentes acabem se envolvendo com a drogadição e, além disso, interessem-se por cultura.

MC Pedrão e seu filho recebem o novo integrante do MH2M

O encontro musical teve a participação do grupo 300 de Gideões, com seu rap gospel, MC Tôny, impulsionando seu trabalho solo, Guerreiros da Perifa, Rotulados pela Sociedade, Paulo d Rua e 2 Piá. Conforme Pedrão, todas as bandas apresentam nas letras de suas canções relatos de vida de seus autores.

Além de eventos musicais, o Rap em Ação promove palestras em escolas e associações comunitárias da cidade. Pedrão e os demais membros do grupo contam exemplos próprios para mostrar aos jovens os riscos que o mundo das drogas oferece para quem nele acaba entrando.

O ano começa com novas parcerias no Rap em Ação
Edenilson Rodrigues, 24 anos, é o mais novo membro do MH2M. Motivado pelo desejo de realizar um trabalho voluntário em benefício de outras pessoas, o jovem procurou Pedrão para juntar-se ao movimento. Seu objetivo é realizar palestras orientando sobre o uso das drogas. “Espero mostrar a minha realidade para que outros jovens não passem pelo que passei”, comenta.

Edenilson relata que dos 15 aos 22 anos foi envolvido com drogas e que, felizmente, conseguiu dar a volta por cima, antes que fosse tarde demais. “Tive uma grande queda e precisei aprender a me reerguer. A música foi muito importante nesse processo”, conta.

O jovem não quer ver outras pessoas passando pelo que enfrentou e por isso alerta: “Nada na vida vem fácil. Não se iludam com as drogas e com o dinheiro. Tudo que vem fácil, se perde fácil. As conquistas da vida da gente se dão através do trabalho e esforço, só que quando a gente é jovem, não entende isso”, comenta.

Grupo de rap da Assembleia de Deus se une ao projeto
O grupo 300 de Gideão, da Igreja Assembleia de Deus, chega com uma meta nada modesta: o objetivo é conquistar 300 integrantes. Até agora, com cerca de seis meses de fundação, já são 90 membros.

O fundador do grupo é Mauro da Costa, 33 anos. Ele viu no Rap em Ação a oportunidade de difundir a proposta de seu grupo gospel para toda a sociedade. A letra das músicas do grupo tem enfoque em mensagens religiosas. “No mundo de hoje, se não nos apegarmos em Deus, estamos perdidos”, acredita.

Mauro conta que, por causa das drogas, acabou se separando e perdeu tudo o que tinha. A fé e a música fizeram com que ele encontrasse um novo sentido para sua vida. Hoje, ele realiza trabalhos com adolescentes de 12 a 16 anos na localidade de Porto Garibaldi e também no bairro onde mora, o Germano Henke.

Juliano Souza, 28, foi um dos jovens “recrutados” por Mauro. A mãe dele, Vera Regina de Souza, 58, conta que o filho começou a consumir drogas ainda criança e que somente a fé e o hip-hop conseguiram transformar a realidade de seu filho. Orgulhosa da mudança, ela e o marido, Paulo Souza, 60, acompanham as apresentações de Juliano junto ao grupo 300 de Gideão.

Deixe seu comentário