Acordeon Pigini modelo 58P é raro no estado. Foto: Arquivo Pessoal

Perda. Adriano Persch usava o instrumento nas aulas e nas apresentações em um quinteto

Ser vítima de um furto ou roubo sempre é uma situação difícil. Quando é subtraído um instrumento de trabalho, porém, o problema é ainda maior. Essa é exatamente a realidade enfrentada pelo músico e professor da Fundarte, em Montenegro, há 23 anos, Adriano Persch, 45.

Na segunda-feira, 6, ele teve a casa, no bairro Santa Terezinha, em Bom Princípio, invadida por um ou mais criminosos. Eles levaram o Fiat Uno dele, modelo 2008, placas IOL-0561, dois televisores smart e, o principal, um acordeon italiano da marca Pigini, avaliado em cerca de R$ 40 mil.

O carro não tinha seguro, mas a falta do instrumento preocupa muito mais. Além de ser usado em algumas aulas, também está presente nas apresentações do Quinteto Persch, especializado em música clássica, do qual Adriano faz parte. Por uma triste ironia, o furto ocorreu no Dia Mundial do Acordeon.
O professor só percebeu o crime após um extenuante dia de trabalho. Quando chegou na residência, por volta das 22h45min, encontrou a porta arrombada. Contudo, o furto ocorreu à tarde, pois um vizinho dele também recebeu a visita indesejada.

O valor financeiro deve-se às características específicas que tornam o acordeon raro no Rio Grande do Sul. Foi feito sob medida há seis anos. O modelo 58P preto possui 47 teclas e sistema converter de baixos livres. “Estou muito triste, mas com esperança de conseguir o instrumento de volta”, destaca Adriano, com o sentimento de incredulidade por ter perdido algo adquirido com muito sacrifício. Ele é acordeonista há 30 anos. O caso ganhou ampla repercussão nas redes sociais de amigos e pessoas interessadas em ajudar o músico.

Informações a respeito do crime ou paradeiro do instrumento devem repassadas a Brigada Militar, pelo 190, Polícia Civil, 197, ou Disque Denúncia 181.
A Polícia vai investigar o caso e foi feita perícia no local. Também vale lembrar o fato de quem compra produtos sem procedência corre o risco de responder por receptação e de ficar sem o bem.

Além de Adriano, integram o quinteto André Machado, Daniel Castilhos, Ezequiel De Toni e Rodrigo Persch. No Youtube, podem ser conferidas diversas apresentações do grupo.

Deixe seu comentário