FOTO: POLO PETROQUÍMICO DO SUL/REPRODUÇÃO

O anúncio foi feito pela prefeita do Município nesta terça-feira, 5 de maio. Margarete Simon Ferreti confirmou que o primeiro caso de Covid-19 entre moradores da cidade – a última da Região Metropolitana a registrar casos – se trata de um rapaz, de 20 anos de idade, que trabalha em empresa de Montenegro.

Em pronunciamento pelas redes sociais, Margarete contou que a família do paciente está sendo acompanhada; e adiantou que ele está em processo de recuperação, já tendo passado pelo período de quarentena. Ele chegou a ser hospitalizado, mas recebeu alta.

“Por isso, queremos reforçar: fique em casa. Se precisar sair, só em última necessidade. Use máscara, faça higienização das mãos, não fique caminhando pela cidade sem necessidade. A crise é grave, o vírus é grave”, colocou a prefeita.

Nova Santa Rita integra a mesma região de Montenegro no novo sistema de distanciamento controlado do Estado, que deve passar a valer na próxima semana. Dentro dessa região, as regras e restrições às empresas e demais atividades serão as mesmas, dada a interdependência de uma cidade para a outra no que se refere ao atendimento em saúde.

ATUALIZAÇÃO:

O Ibiá conseguiu contato com o paciente. Ele esteve internado no Hospital Unimed Vale do Caí, em Montenegro, por quatro dias, até o início da tarde desta quarta-feira, 6. Conta que já é considerado curado da doença.

“Eu fiz o teste de carga viral, que é o teste que diz se eu tenho o vírus no corpo e ele deu negativo. Só que como os sintomas que eu tinha ainda eram graves – era uma pneumonia sem eu ter tido gripe – a médica pediu o teste de anticorpos,o teste rápido, e ele deu positivo. Então, eu tive a carga viral, mas já fui curado”, contou o rapaz.

Ao todo, foram quinze dias desde os primeiros sintomas até a liberação. A internação hospitalar foi a alternativa para tratar a falta de ar que ele sentia. O paciente relata que também sentiu dores de cabeça e no corpo, mas não chegou a ter febre.

A empresa em que o morador de Nova Santa Rita trabalha não pode ser divulgada, mas o paciente garante que todos os cuidados eram tomados, por lá, desde o início da pandemia. “Questão do uso de máscara, álcool gel, álcool para esterilizar os locais de trabalho. Realmente, foi muito bem cuidado lá”, recorda. Ele diz não ter ideia de onde possa ter contraído o coronavírus.

O rapaz foi afastado do emprego assim que surgiram os primeiros sintomas. Ele relata que, assim que deu entrada no hospital, seus familiares também receberam atestado para que fossem afastados de seu emprego e entrassem em isolamento. Uma forma de conter a disseminação da doença.

“A gente fica um pouco apavorado. Não sabe direito o que está acontecendo ou o que pode acontecer”, ele desabafa, de casa, sabendo que o pior já passou. No dia 14 de maio, o paciente já poderá voltar a sua rotina normal.

Deixe seu comentário