Curso ministrado pelo professor Florêncio também tem aulas teóricas

Chance. Com curso, apenados podem construir uma história longe do crime

Uma oportunidade para viver longe do crime e com dignidade. O “Curso de eletricista predial e residencial, com extensão em eletrônica”, realizado por dez apenados da Penitenciária Modulada de Montenegro, representa exatamente isso. A capacitação é uma parceria da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e com a Escola On Byte Lajeado.

Da turma, seis presos já atuavam na manutenção da cadeia. Além disso, somente um deles não exerce nenhuma atividade laboral. Todos possuem condenação por diferentes crimes. Ao final dos encontros, realizados uma vez por semana às terças-feiras, em março de 2019, eles receberão um certificado do Instituto Brasileiro de Profissões. Quando deixarem o confinamento, estarão qualificados para realizar instalações elétricas e para consertar eletrodomésticos, entre outras atividades.

Um participante do curso é H.L.S, 30 anos, sentenciado há 25 anos de prisão por latrocínio. “Eu já trabalhava com eletrônica na rua. É importante pela remição da pena”, comenta. A cada três dias de curso – e o mesmo vale para o trabalho –, diminui um da pena a cumprir. Ele está atrás das grades há quatro anos e nove meses. “O professor Florêncio veio para aprimorar o conhecimento que eu já tinha”, comenta. O curso é ministrado, voluntariamente, pelo engenheiro aposentado Florêncio Castilhos da Silva.

Os dez detentos receberão certificados após a capacitação

A reportagem do Jornal Ibiá acompanhou uma aula da qualificação na tarde de terça-feira. Ficou nítida a atenção e a vontade de aprender dos alunos. Não se ouvia conversas paralelas, enquanto uns assistiam à aula teórica, trios se revezavam na prática de uma instalação elétrica.
Castilhos lembra que os egressos do sistema prisional enfrentam o preconceito por grande parte da sociedade. Por isso, aprender uma atividade em que possam atuar de forma autônoma assume mais significado. “Me sinto realizado como ser humano quando passo conhecimento. Depois não vou mais estar aqui entre o pessoal, mas deixo isso que ninguém tira deles, o conhecimento. É uma oportunidade para eles”, ressalta. O professor atesta a evolução dos alunos a cada aula.

Ele agradece o apoio da Ibicasa, que doou ferramentas e material elétrico aos apenados. Os alunos também receberam apostila, caderno e caneta para estudarem nas celas.

Aluno quer ser exemplo

“É importante para ocupar a mente e sair daqui com uma profissão. Estou lutando para minha netinha de três anos não ver o avô fazendo coisa errada. Quero ser um exemplo positivo”, afirma P.C.S.N, 42 anos. Um dos alunos do curso, ele possui duas condenações, uma por homicídio e outra por tráfico. As duas penas chegam a 20 anos de prisão.

Caminhoneiro antes de perder a liberdade, o homem acredita que não terá oportunidades de trabalhar no transporte de cargas, tendo em vista seu passado vinculado ao crime. Por isso, comemora o fato se qualificar em um ofício no qual pode trabalhar por conta própria. Ele também tem quatro filhos.

Importância de parcerias
A assistente social da Modulada, Ana Caroline Ferreira, salienta a importância de disponibilizar oportunidades aos presos. “Quanto mais atividades eles exercerem, melhor. Eles pedem oportunidades, alguns estão há mais de um ano esperando”, comenta. Nesse sentido, as parcerias com empresas são fundamentais. Quem tiver interesse em desenvolver algum projeto na Modulada pode entrar em contato pelos telefones (51) 3649-3225 ou 3649-9241.

Ana Caroline também afirma que presos que recebem novas chances dentro do sistema prisional, apresentam menos chance de reincidência na criminalidade. “É uma proposta para o futuro deles pós-aprisionamento. Com esta capacitação, eles podem, inclusive, oferecer o trabalho de forma autônoma”, sublinha, falando sobre o curso.

Atualmente, cerca de 70 presos da Modulada realizam alguma atividade laboral. Além da manutenção do local e da cozinha, há espaços para corte e costura, marcenaria e uma horta.

Deixe seu comentário