Casa na esquina entre ruas Castro Alves e Independência teve estrutura arrancada.

Natureza. Prefeituras e Bombeiros fizeram rescaldo e socorreram cidadãos

A terça-feira foi de rescaldos no Vale do Caí devido ao temporal com ventos de até 80km/h no final da tarde de segunda-feira. Árvores, postes e fios de energia elétrica e de telefonia caíram, além de danos pontuais em residências. O maior prejuízo será no Aeroclube de Montenegro, onde um hangar foi destelhado e dois aviões sofreram avarias. O presidente Marco Aurélio Dietrich ainda não calculou o prejuízo, mas destaca o custo das aeronaves de treinamento que devem ficar até 40 dias no solo.

Após o vento bater e derrubar as duas grandes portas do hangar, o pequeno tufão levantou as telhas de zinco e jogou os aviões contra a parede. Os danos estruturais se limitaram à fuselagem e as asas; mas pedirão uma vistoria rigorosa, com desmanche das peças. Essas aeronaves pertencem ao Governo Federal, todavia a responsabilidade de conservação e manutenção é inteiramente das entidades beneficiadas. Ainda assim, o Aeroclube tentará apoio financeiro junto a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

No interior, a situação mais significativa foi no ginásio de Bom Jardim que sofreu forte avaria. Após um levantamento prévio da Defesa Civil, foi estimado um custo em torno de R$ 3.100,00 para reparar os danos. Segundo a Defesa Civil de Montenegro, 15 casas tiveram telhas arrancadas. “Não temos desabrigados e nem desalojados”, comemorou o coordenador, tenente Elton José Santos da Silva. Ao todo, o órgão da Prefeitura distribuiu 450m² de lona preta. Ele não possui telhas para assistência.

Posto do Santo Antônio perdeu toldo
Ainda na noite do dia 11 duas rodovias estaduais, RS’s 124 e 240, precisaram ser desobstruídas pelos Bombeiros. A corporação realizou ainda dois resgates de pessoas presas em elevadores durante o “blackout”. O trabalho seguiu ontem, com vistorias onde a guarnição encontrou apenas árvores e galhos caídos dentro de propriedades privadas e sem risco aos moradores. Nestes casos, é responsabilidade dos cidadãos.

Além de dezenas de corte de árvores, fachadas de lojas danificas e ao menos um poste caído (rua Capitão Cruz, 1378), o toldo da frente do PSH Bairro Santo Antônio foi arrancado. A falta d’água, em consequência do corte de energia nas bombas da Corsan, foi normalizada no fim da tarde. Durante toda a terça-feira equipes da RGE Sul trabalhavam em pontos com danos na rede, mas a concessionária não especificou números relativos a Montenegro e região.

Deixe seu comentário