Local não possui alvará de saúde nem autorização, entre outras irregularidades. FOTO: Divulgação Prefeitura de Porto Alegre

Ação conjunta realizada nesta terça-feira, 15, por agentes de fiscalização das secretarias municipais de Desenvolvimento Econômico (SMDE) e de Saúde (SMS) resultou na interdição de uma indústria ilegal de fabricação de pães de alho na rua Professora Zilah Totta, no bairro Jardim Leopoldina. A empresa é a Hzettermann Com. e Serviços LTDA. Os produtos encontrados no local, por serem de baixo risco, foram lacrados na câmara fria para posterior análise técnica, que dirá se estão próprios para o consumo humano.

“A empresa foi cautelarmente interditada pela SMDE e SMS até a liberação das licenças das secretarias”, explica o coordenador de Promoção Econômica, Luís Antônio Steglich. Ele destaca que ações integradas têm aumentado a capacidade de atuação da prefeitura no combate ao comércio ilegal e irregular. Outras ações de fiscalização irão se repetir no Centro Histórico além de outras áreas da cidade.

O agente de fiscalização Adalberto da Rosa Nunes, da SMS (Equipe de Vigilância de Alimentos da Vigilância em Saúde municipal), explica que a ação foi realizada por suspeita de irregularidades no funcionamento do local constatada em vistorias anteriores em estabelecimentos comerciais na mesma rua.

A empresa não possui alvará de localização da SMDE, nem alvará de saúde, nem autorização para produção. “Ao chegar ao local, constatamos que não havia identificação externa no prédio sobre a empresa, e ao entrar percebeu-se ser um estabelecimento que produzia pão com alho e pastas de alho”, ressalta o agente.

Entre as irregularidades observadas destacam-se ausência de proteção contra vetores, presença de uma caixa de passagem de esgoto aberta no estabelecimento, ausência de pia e kit de higienização para as mãos de manipuladores, sendo que alguns utilizavam roupas muito sujas. Os temperos eram guardados sem identificação de lote, data de abertura da embalagem ou validade.

O local contava com uma câmara fria para manter os pães com alho prontos e embalados, mas a vistoria constatou que o aparelho estava desligado em função do barulho produzido pelo motor.

Além das irregularidades, os fiscais identificaram rótulos de diferentes empresas impressos no local para embalar os pães de alho prontos.

Os nomes das marcas não foram divulgados pela prefeitura de Porto Alegre. A orientação é que, caso o consumidor desconfie do produto, verifique a embalagem. Se o alimento tiver sido produzido pela empresa Hzettermann, o consumo não é indicado. Contudo, nem todas as embalagens têm a informação correta, segundo a Vigilância.

Deixe seu comentário