Agência do Sine Montenegro está interditada desde o dia 21 de outubro

Pandemia e estrutura fazem agências do Ipe e do Sine se manterem fechadas

Em Montenegro, dois prédios de serviços essenciais para a população seguem fechados e, consequentemente, sem atendimentos presenciais. Interditado há mais de 30 dias devido a “problemas estruturais”, a agência do Sine Montenegro continua sem previsão de retorno para os serviços presenciais. Já o prédio do Ipe do município está sem atendimentos no local devido à pandemia do novo coronavírus, desde março deste ano.

Intermediação de mão de obra, encaminhamento de seguro-desemprego e realização de carteiras de identidade são alguns dos serviços que a agência FGTAS/Sine Montenegro presta à comunidade e atualmente estão ocorrendo somente por canais digitais ou via agências de outras cidades. Isso, porque no dia 21 de outubro o prédio, localizado na rua Ramiro Barcelos, foi interditado pela Secretaria Estadual de Obras e Habitação, por meio da 20ª Coordenadoria de Obras Públicas (CROP), devido a problemas estruturais.

Em vistoria realizada pela coordenadora da 20ª CROP, foi constatada uma série de problemas como a umidade que atingiu as tesouras de madeira da cobertura, a laje do terraço e as paredes e infestação de cupins. Além disso, também foram encontrados problemas nas calhas metálicas sem manutenção; placas de forro caindo; curto circuito em instalações elétricas; bolor e bolhas na pintura das paredes de alvenaria; dentre outros.

Segundo a Secretaria Estadual de Obras e Habitação, a coordenadora também recomendou a urgente contratação de um laudo pericial, para aprofundar danos estruturais não detectados pela vistoria e pelo laudo visual, principalmente no que tange as lajes do segundo e terceiro pavimento, vigas e pilares. “A CROP destaca que estrutura do telhado não pode ser recuperada. Técnicos da 2ª CROP, com sede em Novo Hamburgo, também estiveram no local verificando a situação estrutural e igualmente confirmaram a interdição”, afirma comunicado da Assessoria de Comunicação da Secretaria.

Porém, a Comunicação da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS) passou outra informação. Segundo responderam à reportagem do Ibiá, há um processo na Secretaria Estadual de Obras e Habitação para elaboração dos elementos técnicos necessários para realização da reforma da edificação. De acordo com a assessoria, os recursos da obra serão do tesouro do Estado.

Em questionamento sobre problemas recentes já encontrados no prédio, como em junho de 2019, que parte do forro de gesso da agência despencou dentro da sala da coordenação durante a madrugada, fazendo até uma luminária cair, a FGTAS relatou que quando houve o agravamento dos problemas de infiltração, gerando danos em parte do forro, foi providenciado inicialmente uma avaliação e buscou-se orçamentos com empresas da iniciativa privada para consertar a cobertura e restabelecer a estanqueidade. “Como os problemas encontrados foram maiores do que se imaginava, foi necessário requisitar um projeto mais amplo para a Secretaria de Obras e Habitação”, informou.

Nos últimos anos, problemas na estrutura
do prédio do Sine já vinham sendo identificados

Sem data para retorno
A agência de Montenegro do Sine segue sem data para retorno do atendimento presencial, e conforme a FGTAS, o órgão está estudando alternativas e buscando parcerias entre os órgãos estaduais e/ou municipais para reestabelecer o atendimento presencial. Durante o período de fechamento da unidade, os trabalhadores podem ser atendidos através do e-mail montenegro@fgtas.rs.gov.br, pelo whatsApp (51) 99720-535, nos canais digitais e nas demais Agências FGTAS/Sine da região. Os endereços e telefones das unidades estão disponíveis no site: https://fgtas.rs.gov.br/agencias-fgtas-sine

Para se candidatar às vagas de emprego pela internet, os trabalhadores devem acessar o aplicativo Sine Fácil (disponível na Play Store e Apple Store).

Já o empregador pode disponibilizar vagas de trabalho através do e-mail da agencia montenegrovagas@fgtas.rs.gov.br, por meio do preenchimento do formulário disponível no site da FGTAS ou, ainda, pelo cadastro de vagas no Portal Emprega Brasil do Ministério da Economia.

Com prédio quase abandonado, Ipe segue fechado

Quem passa em frente à agência do Instituto de Previdência do Estado (Ipe) de Montenegro, na rua José Luís, e vê o atual estado que o prédio se encontra tem sérias dúvidas se o local está abandonado ou não. Falta de manutenção no gramado, manchas na pintura devido a infiltrações e caixa de luz totalmente avariada são alguns dos problemas visíveis do prédio.

Prédio do Instituto de Previdência do Estado de Montenegro tem aspecto de abandono

A degradação clara do imóvel já foi pauta no Jornal Ibiá em 2017 e 2018. Na época a agência se encontrava da mesma maneira, com mato crescendo no terreno e muitas manchas na sua estrutura.

Apesar do estado deteriorado, até março deste ano ocorriam atendimentos de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h, com intervalo das 12h às 13h, com uma servidora que ocupa a função de atendimento e também algumas funções administrativas. Devido a pandemia do novo coronavírus, o atendimento presencial foi suspenso em decorrência de Instrução Normativa Conjunta nº 02/2020, de 17 de março.

Os atendimentos presenciais no Ipe Prev foram retomados no dia 3 de novembro, em Porto Alegre, mediante agendamento prévio. O agendamento, desenvolvido em parceria com a Procergs, é feito no site de cada instituição ou pelo portal integrado de serviços digitais do Estado (www.rs.gov.br), e os atendimentos são prestados na sede, na Capital (Av. Borges de Medeiros, 1945).

Em Montenegro e nas demais cidades do interior do Estado, as unidades permanecem fechadas sem data para retorno. Os serviços oferecidos na agência seguem digitais, e através a página “Atendimento durante a pandemia”, no site do Ipe Prev, (http://ipeprev.rs.gov.br/atendimento-ipe-prev-durante-pandemia-do-covid-19) foi criada para centralizar todas as informações sobre atendimentos.

Segundo a assessoria de imprensa do Ipe Prev, com a aprovação da Lei Estadual nº 15.144 de 05/04/2018, no seu artigo 28, o imóvel passou a ser propriedade do Estado, e desde então os IPEs continuam com a responsabilidade sobre todas as despesas derivadas pelo uso do imóvel.

Questionada sobre a degradação do imóvel, o órgão somente respondeu que “quanto a estrutura física do prédio, a agência possui todo o mobiliário necessário para retornar com o atendimento presencial, quando o mesmo for determinado”.

Deixe seu comentário