Em Capela, comunidade vem protestando contra a instalação da praça prevista para a ERS-240. FOTO: ARQUIVO/IBIÁ

Em reunião com lideranças locais no Centro Administrativo do Estado, o secretário estadual de Parcerias, Leonardo Busatto, voltou a sinalizar que a praça de pedágio prevista com a concessão das rodovias da região pode não ficar em Capela de Santana. A nova mudança no local já é dada como certa em material divulgado pela assessoria do deputado estadual Issur Koch, que participou do encontro, e compartilhada pela Prefeitura de Capela de Santana. O Governo do Estado, porém, ainda não confirma a decisão.

“Estamos analisando possibilidades de alteração da praça a partir das conversas com a Prefeitura de Capela de Santana e sugestões da Consulta Pública (que segue em vigência até o dia 31 desse mês)”, explicou a secretaria de Parcerias, em nota à reportagem. Não há sinalização de um possível novo local.

No encontro com Busatto, o prefeito de Capela, Alfredo Machado, apontou consequências do pedágio previsto para a ERS-240. Dentre as principais, o isolamento de comunidades capelenses como Pareci Velho e Paquete do centro do Município. Também, a dependência de Montenegro em áreas importantes, como a da Saúde, que seriam prejudicadas pelo pedágio.

Na reunião, o secretário estadual apresentou as melhorias que serão postas como obrigatórias para a ERS-240 se ocorrer a concessão. Dentre elas, a construção de três rótulas alongadas e de passarelas. Busatto citou que o governo e a Agergs farão a fiscalização para que as obras aconteçam nos prazos previstos. “Além disso, em cada praça de pedágio será criado um Conselho de Usuários para acompanhar o andamento das obras de cada contrato que prevê punições, em caso de não cumprimento de metas, que vão desde multa, redução de tarifa e até mesmo rescisão contratual”, adicionou, no encontro.

Deixe seu comentário