Rogério Bertoldo mudou para estudar dança na Uergs

Estimativa da FEE revela o crescimento contínuo da população. Nos últimos dez anos, esse aumento foi de 9,6%

Uma oportunidade de trabalho, o ingresso na universidade, expectativa de melhores condições de vida, localização geográfica ou simplesmente por gostar do lugar são algumas das razões que motivam as pessoas a mudarem de cidade. Essa migração é um dos fatores que refletem na oscilação do número de habitantes. Em Montenegro, essa variação tem se mantido positiva, conforme estimativa divulgada pela Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE/RS). O total de moradores da cidade já ultrapassa 65 mil, o que representa um crescimento de 9,6% nos últimos 10 anos.

Rogério Bertoldo mudou para estudar dança na Uergs. Foto: Arquivo/Pessoal

Desde 2001, o Núcleo de Demografia e Previdência (NDP) da FEE realiza o levantamento e a população de Montenegro se mantém em crescimento. Casos como o do acadêmico Rogério Bertoldo ilustram um dos fatores desse aumento contínuo. O ingresso no curso de licenciatura em dança, da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) motivou sua mudança para o município. Ele é natural do Mato Grosso e chegou a morar em Porto Alegre, quando mudou para o Rio Grande do Sul, onde trabalhava com dança.

A Uergs, no entanto, o atraiu para Montenegro. Ele observa que os custos com passagem da capital para o município superam os de um aluguel e salienta as dificuldades para conseguir o benefício do passe-livre. “Não se tem condições de comprar passagem todo o dia, então compensa mais morar aqui”, afirma. “É uma escolha estudar na Uergs, mas morar em Montenegro foi uma necessidade”, completa.

Seus planos eram cursar dança na Uergs ou na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). A qualidade do curso e o horário das aulas, que se concentram principalmente à noite – o que possibilita trabalhar durante o dia – o levaram a optar pela universidade estadual.

Entre os pontos positivos da cidade, cita a tranquilidade, se comparada com Porto Alegre. Rogério menciona, no entanto, as dificuldades para encontrar um lugar para morar e permanecer na cidade devido à falta de uma casa de estudantes e de restaurante universitário. “Falta estrutura”, resume.

Crescimento superior ao do Rio Grande do Sul
Assim como o ingresso na universidade, a busca por trabalho também impulsiona a migração. Embora a proximidade com Porto Alegre, o deslocamento diário gera custos e estresse que podem ser evitados com a mudança de cidade. Em 2007, a estimativa da FEE/RS indicava que o número de habitantes em Montenegro era 59.388 enquanto que, em 2016, esse total chegava a 65.094.

Com 9,6% de aumento, Montenegro ocupa a 14ª posição entre os 19 municípios da região. O índice é superior ao verificado no Rio Grande do Sul, que cresceu 4,07% nos últimos dez anos. No Vale do Caí, todas as cidades tiveram variação positiva nesse período e, no total, a variação chegou a 10,73%. O maior índice de crescimento é o de Tupandi, chegando a 27,3% e, o menor é verificado em Maratá, com 3,24%.


Saiba Mais

Em 2016, do total de 65.094 habitantes, o número de mulheres era de 32.882 (50,51%) e, o de homens, 32.212 (49,48%); em 2007, do total de 59.388, o número de mulheres era de 30.061 (50,61%) e, o de homens, 29.327 (49,38%)

Deixe seu comentário