Mandado foi cumprido após informações que casa estava sendo modificada. Foto: Polícia Civil

Agentes da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Montenegro cumpriram Mandado de Busca e Apreensão na casa onde foi gravado vídeo da criança brincando com revólver. A residência fica na Travessa José Pedro Steigleder, bairro Cinco de Maio, sendo identificada pela comunidade como uma “boca de fumo”.

O delegado Paulo Ricardo Costa informou que a operação foi deflagrada no fim da tarde de quinta-feira, dia 24, sendo que foi possível identificar sem sombra de dúvida que se trata do mesmo local. Todavia, a residência de madeira foi abandonada, havendo informações que a mãe, levando a filha, deixou Montenegro na última quarta-feira, dia 23, assustada pelo vazamento e repercussão nacional do vídeo.

Casa estava vazia, mas havia berço, roupas de criança e brinquedos. Fotos: Polícia Civil

Ontem os policiais encontraram a casa sendo pintada de branco, possivelmente para alterar suas características e dificultar o reconhecimento. Todavia, o delegado revelou que foram encontrados um berço e diversos objetos de criança, o que confirma a presença de um menor. Um homem, conhecido por ser usuário de drogas, foi abordado na casa, e existe a suspeita que estava responsável pela pintura.

Pé de cabra no berço revela que estavam sendo feitas alterações na casa

Ninguém foi preso e nenhuma arma encontrada. O pai da criança, outro contumaz criminoso de Montenegro, está preso já faz algum tempo. A mãe, também devidamente identificada, teria fugido para uma cidade no Vale do “”Sinos.

Conforme informações de populares, não está descartado que ela mantinha o esquema de tráfico no endereço, porém, não é acusada tampouco investigada por este crime. Agora, a Polícia Civil irá procurá-la para intimar a depor a respeito do revólver e do acesso da filha à arma.

Ministério Pública aguarda trabalho da PC
O Ministério Público (MP) disse que não pode ainda se manifestar sobre a identidade da família e providências a serem adotadas, pois ainda há diligências da Polícia Civil pendentes de cumprimento. A preocupação da Promotoria é em não frustrar tais atos do órgão de segurança pública. “Podemos informar, apenas, que todas as medidas cabíveis para a proteção da criança em situação de risco serão adotadas pelo Ministério Público”, declarou a promotora Daniela Tavares da Silva Tobaldini, em substituição da Promotoria da Infância e Juventude.

 

Deixe seu comentário