Reformada, UBS realizará atendimentos básicos e também o serviço de plantão para a população. FOTO: Prefeitura de Brochier

Até então responsável pelo atendimento, Hospital São João fechará as portas

Seriam necessários mais de R$ 180 mil mensais para manter o atendimento na casa de saúde dentro dos moldes do programa de Pronto Atendimento de Urgência

A secretaria municipal da Saúde e Assistência Social de Brochier informa uma importante mudança no plantão de atendimento médico no Município. Até então realizado no Hospital São João, ele passará a ocorrer a partir do dia 1º de fevereiro na Unidade Básica de Saúde (UBS) do Centro. Os atendimentos ocorrerão no novo local no mesmo horário que já vinham sendo realizados: de segunda-feira a sexta-feira das 17h às 21h e nos finais de semanas e feriados das 8h às 18h.

Após o horário de plantão, os procedimentos de emergência ocorrem através do chamado da ambulância pelos números 9 9297-4970 ou 9 8487-8842 com os atendimentos efetuados no Hospital Montenegro. A secretária da Saúde e Assistência Social de Brochier, Mônica Aline Kerber Neis, salienta que a UBS seguirá realizando atendimentos básicos – como apresentação de exames, trocas de receita e consultas de rotina – no seu horário normal de funcionamento: das 7h às 17h de segunda-feira a sexta-feira.

Mônica diz que a decisão pela mudança do atendimento no Hospital São João para a UBS ocorreu após diversas reuniões envolvendo o Executivo, Legislativo e a diretoria da casa de saúde e foi motivada por uma notificação da Vigilância Sanitária estadual dada ao hospital. Segundo a secretária, foram solicitas várias adequações de acordo com a legislação vigente tanto na parte estrutural do prédio quanto na prestação dos serviços. “Após várias reuniões, inclusive juntamente com membros da comunidade, chegou-se ao consenso de que o Município não tem como arcar com os valores solicitados pela entidade (para as adequações)”, afirma. “Então, a decisão do Município foi prontamente realizar esse serviço no posto de saúde para não deixar a população sem o atendimento que já existe, nesses moldes, há três anos”, destaca Mônica.

De acordo com a secretária, o convênio para a compra dos serviços de atendimento básicos de emergência com o Hospital São João tinha um valor mensal de R$ 34.200,00. Agora, esse recurso será aplicado na contratação de médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem, além da compra de materiais e insumos, para que o serviço seja prestado na UBS.

Hospital São João deixará de realizar atendimentos por não ter verba para
financiar profissionais necessários para sua adesão ao PADU

Sem recursos para custeio, hospital encerrará atividades
Questionada sobre as mudanças solicitadas pelo órgão estadual e o futuro da casa de saúde, a entidade mantenedora do Hospital São João, a Sociedade de Beneficência e Caridade Brochier, informou que o hospital encerrará suas atividades. “Para esta casa de saúde continuar aberta teríamos que nos adequar às regras de um Pronto Atendimento de Urgência (PADU), um programa do Governo do Estado, para atendimento de urgência 24 horas de baixa e média complexidade, com possibilidade de internação para observação”, explica o presidente da entidade, Celso Nicolau Kerber.

Kerber salienta que a principal dificuldade não estaria em adequar as instalações, mas sim no valor que seria necessário para cobrir a folha de pagamentos e demais custos. Cálculos da entidade indicam que o valor mensal mínimo com despesas pessoais em profissionais da área da saúde (médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem) para a implantação do PADU seria de R$ 159.300,00. Estima-se, ainda, um custo de mais de R$ 22 mil para contratação de serviços de laboratório, raio-x, serviços de lavanderia e cozinha, materiais de uso e consumo e energia elétrica, entre outros. “Para adequar o prédio o valor necessário para um mês de custeio seria suficiente e ainda sobraria”, aponta o presidente.

Segundo o gestor, a entidade receberia R$ 25 mil do Estado caso ingressasse no PADU. O restante da verba necessária para manter o hospital filantrópico precisaria ser oriundo da Prefeitura, que declarou não possuir condições de custear tamanho investimento. “A gente, de fato, vai deixar de ser hospital. Não vamos mais trabalhar na área da saúde. A gente vai passar a concentrar o trabalho no lar de idosos”, resume Kerber ao informar sobre o que ele diz ser “a decisão mais triste da história da casa de saúde”. O Hospital São João foi inaugurado em 1946.

Casos atendidos pelo plantão
– Dor forte no peito e falta de ar;
– Situações de intoxicação ou engasgamento;
– Queimaduras;
– Cortas e sangramentos;
– Perdas de consciência e crises como ataques e convulsões;
– Queda acidental;
– Trabalho de parto;
– Traumas ou fraturas;
– Acidentes de trânsito com vítimas;
– Picadas de insetos e cobras.

Deixe seu comentário