Agricultores devem evitar ao máximo aproximação com a torres de alta tensão

Planejamento e atenção na execução das atividades agrícolas salvam vidas no campo

A agricultura e a pecuária são fontes de renda e desenvolvimento socioeconômico em Montenegro, que tem como característica, em alguns locais, que a rede cruze propriedades. Ainda que a maioria não se encaixe no conceito de agronegócio, o uso de máquinas na produção é normal. Outro fator é a iniciativa de alguns produtores que resolvem realizar a poda e corte de arvoredo perto da linha. Mas existem cuidados básicos que precisam ser observados.

Levantamento realizado pela Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho da CPFL Energia – empresa a qual faz parte da RGE – mostra a importância deste tema. Entre 2017 e abril de 2019, suas concessionárias em São Paulo e Rio Grande do Sul registraram 11 acidentes fatais envolvendo a execução de atividades agrícolas. Destes, sete ocorreram no interior paulista e quatro em municípios gaúchos.

Um desses casos pode ser apontado como exemplo. Ele aconteceu em Maçambará, na Fronteira Oeste, em janeiro de 2018, quando o toque de um pulverizador contra a rede elétrica causou a morte de um agricultor. O mínimo que é necessário para evitar tragédias como esta é a soma entre atenção e planejamento na realização das tarefas diárias.

É indispensável considerar que as dimensões das máquinas ou implementos usados aumentam o risco de um contato acidental com os fios de energia. Em outros casos, as próprias plantações ultrapassam os limites de segurança das faixas de servidão (espaço que precisa ser respeitado próximo à rede elétrica, veja box), contribuindo para os riscos de acidentes.

Orientação é chamar a RGE
Os períodos mais críticos para haver acidentes são o da colheita e da preparação do solo, quando são utilizadas máquinas de grande porte e também são feitas as queimadas. Nestas épocas, os agricultores devem redobrar os cuidados com as redes de energia, planejando as atividades para evitar os acidentes. É importante visitar as áreas onde os trabalhos serão realizados, observando os locais onde existe rede e dimensionando as máquinas para o cumprimento de determinado serviço.

Redes elétricas que cruzam as propriedades são obstáculos perigosos dentro dos pomares

O coordenador de Segurança do Trabalho da RGE, Leandro Backes, observa que a modernização do sistema de colheita concebeu máquinas maiores. Isso levou as distribuidoras do Grupo CPFL Energia a iniciarem a campanha de segurança “Guardião da Vida”. Além de dicas e conselhos à população em geral e trabalhadores urbanos, a campanha traz também informações sobre os cuidados que os trabalhadores rurais devem ter quando desenvolverem atividades próximas às redes elétricas.

10 dicas do Guardião da Vida RGE
1 – Planeje cuidadosamente os trabalhos e observe se a altura e largura da máquina ou equipamento manterão uma distância segura da rede elétrica;

2 – Caso os fios da rede estejam próximos uns dos outros, não se aproxime ou toque neles;

3 – Ao manusear as máquinas agrícolas, desvie dos estais (cabos de aço que prendem os postes ao chão);

4 – Ao manobrar veículos e equipamentos, ou realizar carga e descarga de caminhões, mantenha a distância mínima de cinco metros de qualquer tipo de estrutura elétrica;
5 – Caso o veículo venha a encostar na rede elétrica, o motorista jamais deve tentar sair do maquinário. Neste caso, deve-se chamar imediatamente a distribuidora, que desligará o fornecimento antes de resgatar o condutor;

6 – Nunca estacione máquinas agrícolas debaixo da rede elétrica;

7 – Cuidado para não tocar na rede elétrica quando subir em uma árvore para colher frutas ou para realizar uma poda;

8 – Tenha cuidado com os equipamentos de irrigação. Não deixe o jato de água dos irrigadores atingir os fios elétricos;
9 – Nunca tente se aproximar ou tocar em cabos elétricos caídos no chão. Se encontrar um fio elétrico caído, o mais adequado é sinalizar a área para que ninguém se aproxime e avisar imediatamente a distribuidora de energia;

10 – Não faça queimadas perto das linhas de transmissão ou de distribuição de energia elétrica. Além de colocar em risco a sua vida e de outras pessoas. Essa prática pode danificar as estruturas do sistema elétrico, causando a queda dos postes e torres, provocando curtos-circuitos, o rompimento de cabos e interrompendo o fornecimento de energia.

Como contatar a RGE
-Agência Digital: http://www.rge-rs.com.br/
-Aplicativo CPFL Energia: disponível gratuitamente para download em celulares e tablets com sistemas operacionais Android, iOS e Windows Phone
-SMS para o número 27350 com o seu código que está na fatura
-Central de Atendimento: 0800 970 0900

Distâncias de vegetação da rede
Conforme determina a Norma Técnica NBR 5422 – Projeto de linhas aéreas de transmissão de energia elétrica, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), as faixas de servidão e segurança têm a largura mínima de 30 metros, para as linhas de 69, 88 e 138 kV de tensão, e a largura mínima de 20 metros para as linhas de 34,5 kV.

Deixe seu comentário