Foto: Arquivo Jornal Ibiá

No dia 28 de agosto deste ano, a Patrulha Maria da Penha do 5º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Montenegro completou um ano de atividades. No período, 137 mulheres vítimas de violência doméstica foram atendidas pelas equipes de patrulheiros. Nos oito primeiros meses deste ano, foram realizadas 398 visitas de acompanhamento das medidas protetivas de urgência, e sete agressores foram presos em flagrante por descumprirem ordens judicial de afastamentos das vítimas.

Atualmente 129 vítimas recebem acompanhamento de seus casos – 112 residentes de Montenegro – . Para o comandante do 5º BPM, tenente-coronel Rogério Pereira Martins, o resultado do trabalho, apresentado até agora, é fruto  da atuação integrada da Patrulha com a Rede Municipal de Assistência à Mulher, Delegacia da Mulher, Ministério Público e Poder Judiciário.

Para a juíza Deise Fabiana Lange Vicente, a Patrulha Maria da Penha representa um avanço na proteção às mulheres vítimas de violência doméstica. “Mais do que o deferimento de medidas protetivas de urgência, a patrulha permite que a polícia vá ao local e verifique o risco que a situação apresenta a mulher, e traga ao Poder Judiciário um relatórios condizentes com a realidade”, explica a magistrada.

“Nós  percebemos grande avanço no enfrentamento à violência doméstica e familiar, em Montenegro e na nossa região. Isso se deve principalmente ao atendimento qualificado e humanizado prestado pela Patrulha Maria da Penha”, avalia a promotora de justiça Daniela Tavares Tobaldini.

A delegada Cleusa Spinato, responsável pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) do Vale do Caí, confirma a contribuição significativa da Patrulha Maria da Penha no combate e esse tipo de violência. ” A Patrulha Maria da Penha vem desenvolvendo um excelente trabalho para a região”, ratifica.

Nessa quinta-feira, dia 10, a Brigada Militar divulgou um vídeo no qual são apresentados dados e a opinião de autoridades ligadas à área da segurança. O audiovisual mostra a avaliação sobre o trabalho da Patrulha Maria da Penha.

 

 

Deixe seu comentário