Young woman stretching, side view, outdoors

“Alongamento é benéfico e indicado para todos os públicos, com a exceção de pessoas com restrições articulares, tendinosas e algumas doenças neurológicas”, informa a educadora física e nutricionista Raíssa Joner.

Aquele estica e puxa de braço, perna e pescoço, tão relaxante antes e após uma atividade física, é o ato de alongar-se. Auxiliando também na flexibilidade e mobilidade, contudo e ineficiente sozinho no combate ao sedentarismo. Raíssa destaca que a prática deve estar integrada à alguma atividade física. “A realização do alongamento diariamente, sem a prática de exercícios físicos ainda se enquadra como sedentarismo. Para deixar de ser sedentário é necessário realizar exercícios 3x por semana com a duração de 1h ou diariamente com a duração de 30 minutos”, explica.

De acordo com a literatura, o alongamento é uma tensão aplicada aos tecidos musculares que provoca sua extensabilidade, sendo executado como forma de aumentar a mobilidade articular e diminuir a incidência de contraturas, informa Raíssa. “Na natureza os cachorros e gatos alongam-se frequentemente ao longo do dia, assim como os seres humanos, com o hábito de espreguiçar-se ao acordar ou levantar após um período sentado. As pessoas podem não perceber, mas o alongamento é um ato constante em nossas vidas”, relata.

E entre os principais benefícios trazidos pela prática está a prevenção de problemas tendinosos (tendões), articulares, de lesões musculares (distensões, rupturas e contraturas), segundo lista a profissional.

Além desses, auxilia também no desenvolvimento da consciência corporal, na flexibilidade e o bem-estar físico. “Esses benefícios contemplam tanto atletas como as pessoas em geral”, salienta.

Os três tipos mais utilizados
Raíssa explica que apesar de existir várias metodologias de alongamentos na literatura, três tipos são os mais utilizados pelos profissionais da educação física e o público em geral. O alongamento dinâmico consiste em movimentar partes do corpo, aumentando gradualmente a amplitude e a velocidade. Normalmente, são exercícios caracterizados por movimentos pendulares e repetitivos. Este alongamento também pode ser usado como aquecimento antes dos exercícios. Outro é o alongamento ativo, o tradicional alongamento estático, que realizamos sozinhos, no qual se mantém a mesma posição por determinado tempo e é realizado de forma lenta. Já o alongamento passivo é o estático no qual uma força externa (companheiro, fisioterapeuta,…) exerce sobre o membro a ser alongado.

Aquecimento não é alongamento
“O aquecimento é um processo do qual se busca aumentar a temperatura corporal, frequência cardíaca e consequentemente aumentar o fluxo sanguíneo, melhorando o transporte de oxigênio até os músculos. Existem muitos estudos comprovando que o aumento da temperatura muscular aumenta o desempenho físico”, informa a educadora física.

Dica de alongamento para a região torácica, costas, e posterior da coxa, proposta pela educadora:
De frente para a parede, afaste as pernas, desça o tronco lentamente, apoie as mãos na parede, flexionando o tronco até formar um ângulo de 90°, force o corpo para baixo, fique na posição por 20 segundos, depois desça o tronco até o chão, tente alcançar o solo com as palmas das mãos, sem flexionar os joelhos, permaneça na posição por mais 20 segundos.

Deixe seu comentário