Ação do MPRS com o apoio da PC cumpre mandados de busca e apreensão, prisão e de medidas constritivas de indisponibilidade de imóveis e veículos. Foto: Divulgação/MPRS

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MPRS), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Núcleo Lavagem de Dinheiro, desencadeou na manhã desta quinta-feira, dia 24, em conjunto com a Polícia Civil (PC), operação para cumprimento de mandados de prisão, busca e apreensão e de indisponibilidade de bens ligados a uma organização criminosa com envolvimento no tráfico de drogas. Entre as cidades onde estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão, de prisão e medidas constritivas de indisponibilidade de imóveis está Brochier. As outras cidades onde ocorrem a ação são Novo Hamburgo, Portão e Itapema, em Santa Catarina.

A ação ocorre em desdobramento das Operações Água e Magna Ópera, deflagradas em maio deste ano, a fim de desarticular uma organização criminosa voltada à lavagem de capitais provenientes do tráfico de drogas. Com o prosseguimento das investigações, foi decretada a prisão preventiva de um dos principais líderes de uma facção criminosa estabelecida no Rio Grande do Sul, com sede no Vale do Sinos.

Mesmo em prisão domiciliar, ele seguia comandando um esquema de distribuição de grandes quantidades de droga a diferentes grupos criminosos gaúchos. O líder da organização criminosa foi localizado e preso em Novo Hamburgo.

Dentre os bens atingidos pela indisponibilidade estão veículos de luxo e imóveis rurais no Rio Grande do Sul e no Piauí, identificados na segunda fase da investigação. Na primeira fase da investigação, já haviam sido cumpridos cerca de 340 medidas judiciais, incluindo indisponibilidade de bens, quebras de sigilo bancário, fiscal e telemático, e mandados de busca e apreensão.

Deixe seu comentário