Foto: arquivo Jornal Ibiá

Combustível deve ficar mais caro nos próximos dias em Montenegro

A Petrobras anunciou na última quarta, 18, o reajuste nos preços da gasolina e do óleo diesel. O litro da gasolina foi reajustado em 3,5%. Já do diesel, o reajuste foi maior, 4,2%. Porém, sobre esses valores ainda serão acrescidos encargos tributários e trabalhistas e as margens de lucro dos postos de combustíveis. Os novos valores começaram a valer a partir de ontem, 19, mas em Montenegro o aumento ainda não afetou as bombas dos postos.
De acordo com pesquisa do Jornal Ibiá, nos últimos meses, houve uma queda no valor da gasolina. Entretanto, a tendência é que o valor do combustível na cidade aumente nos próximos dias. O valor médio da gasolina comum nos postos da cidade é de R$ R$ 4,36. Já a gasolina aditivada custa, em média, R$ 4,49.

Esse reajuste acaba atingindo a população de forma branda. Entretanto, quem trabalha com transporte de pessoas não vê esse aumento com bons olhos. Juliano Chagas, taxista há 23 anos, afirma que o aumento do combustível acaba diminuindo a qualidade dos serviços prestados. “Hoje nosso serviço já é oferecido de forma mais barata por conta da concorrência com o serviço de motoristas de aplicativo. Esse aumento dificulta o lucro das corridas e a manutenção da frota. Ao invés de trocar de carro a cada dois anos, para economizar, acabamos trocando a cada três e isso impacta diretamente na qualidade do serviço.”

Na segunda-feira, 16, a Petrobras divulgou em nota que o bombardeio de refinarias na Arábia Saudita, responsável pela produção de 5% do petróleo mundial, foi o que gerou uma imediata elevação dos preços dos combustíveis no mundo. A estatal informou, na ocasião, que continuaria monitorando os preços do petróleo e não faria um ajuste de forma imediata. O último reajuste da gasolina no Brasil havia sido no início de setembro e o do diesel, no dia 13.

O Sulpetro, Sindicato que representa os postos de combustíveis do RS, divulgou uma nota informando que não tem como prever como o mercado irá se comportar, pois muitas variáveis influenciam no preço final. “O mercado é extremamente competitivo e cabe a cada revendedor decidir o preço de venda dos seus produtos, com base em suas condições de compras juntos às distribuidoras e suas estruturas de custo”.

Deixe seu comentário