A jovem Sandi Lamb faz o seu primeiro curso de costura aos 18 anos para comercializar novos produtos

Conhecimento. Curso de Introdução à Costura mostra como criar novos itens com o que está sobrando no armário

Sustentabilidade e fonte de renda para mulheres estão sendo o foco principal do curso de Introdução à Costura e Transformação das Peças de Vestuário, em Brochier. As aulas são oferecidas gratuitamente no Centro de Referência em Assistência Social (Cras) até esta quinta-feira, 20, quando dez brochienses se formam nas atividades.

A matéria-prima utilizada pelas alunas vem do próprio armário de cada uma. São calças, camisas, camisetas e outras peças que não são mais usadas e muitas iriam para o lixo. De acordo com a instrutora do Senar-RS, Elisete Magnon, as criações oportunizam fontes de renda e sustentabilidade. “Este curso também ensina quem nunca sentou na frente de uma máquina para costurar. Algumas mulheres que aqui estão possuem máquinas em casa, mas não conhecem todas as funções e quais os cuidados devemos ter com o equipamento”, afirma.

Renita Colling, 62 anos, é aposentada e já lidava com a agulha e linhas há muito tempo, mas agora aprende algo novo, como dar utilidade para roupas que já foram novas e agora não são utilizadas. “Aqui eu já fiz uma mateira com resto de calça jeans e estou costurando um avental também”, afirma a mulher. Agora o celular de Renita terá um suporte enquanto carrega a bateria, pois ela aprendeu como montar usando os tecidos que tem em casa.

Segundo Renita, todas as peças montadas nas aulas são importantes e úteis. “Eu já fazia suportes para garrafas térmicas de crochê, mas agora já sei fazer outras coisas e bem diferentes”, destaca. Enquanto respondia às perguntas da reportagem, a aposentada se divertia com as colegas ao compartilhar suas histórias.

Aluna mais nova da turma, Sandi Lamb, 18 anos, foi de Batinga Sul, interior de Brochier, para descobrir novos métodos de corte e costura. “É a primeira vez que participo de um curso aqui. Sempre me interessei por artesanato e comecei a fazer crochê com oito anos de idade”, revela. A jovem disse para a mãe, no ano passado, que iria comprar uma máquina de costura para fazer o que gosta.

Passados alguns meses, Sandi teve a oportunidade de fazer as aulas de transformação de peças de vestuário. “A gente acha que muita coisa não tem utilidade, mas aqui é possível transformar”, afirma. Com novas ideias, a aluna poderá ampliar o seu catálogo de criações, pois ela produz peças para vendas, inclusive divulga numa rede social, onde recebe muitas mensagens de encomendas.

Conforme a Assistente Social do Cras de Brochier, Michele Regina Fetzner, o curso é uma parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade, que colaborou para a inscrição do município junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RS). Segundo Michele, o Município tentará uma nova edição para o curso. Em março, a parceria entre as entidades vai promover aulas de inclusão digital para os brochienses.

Deixe seu comentário