A moto foi atingida de frente, sobre sua pista, na localidade de Campo do Meio, e foi jogada em direção ao mato. Foto: Arquivo Jornal Ibiá

DIA DECISIVO. Família da jovem aguarda pela sentença há quase dois anos e quer a condenação do acusado

Esta quarta-feira, 30, será um dia decisivo para Evandro Weber, 24, acusado de ter causado, em 2017, o acidente que tirou a vida de Kellen Bock, então com 18 anos. E também para a família da garota, que clama por justiça. O julgamento acontece a partir das 9h30min no Fórum de Montenegro.
O réu foi pronunciado em 11 de julho de 2018. A defesa entrou com recurso e, em agosto daquele ano, o processo foi encaminhado ao Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RS). Na sequência, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Segundo Grau, de onde foi designada a Câmara Criminal que manteve a decisão de pronúncia e apontou que a sessão de julgamento ocorra em Montenegro.

O julgamento promete muita emoção, isso porque grande parte da comunidade da região se comoveu com a trágica partida da estudante, que sonhava tornar-se biomédica, e teve a vida interrompida ao retornar para casa depois de fazer as provas do Enem. “Nós acreditamos que ele pagará pelos erros, pra que outras pessoas inocentes não passem pelo que nós estamos passando. A nossa vida mudou pra sempre. Mesmo que eu tivesse dez filhos, sempre faltaria ela. Não existe ninguém pra substituir”, desabafa Carloti Bock, mãe de Kellen.

Kellen Bock tinha 18 anos quando faleceu em um acidente, ao voltar para casa após as provas do Enem. Foto: Facebook de Kellen Bock

O acidente que vitimou Kellen ocorreu na tarde de um domingo, dia 5 de novembro de 2017. Ela conduzia uma motoneta Honda Biz no sentido Montenegro/ Campo do Meio, quando voltava para casa, na localidade de Vapor Velho. A colisão ocorreu em uma curva, distante aproximadamente 100 metros do acesso à BR-470. A jovem morreu no local.

Conforme testemunhas, o veículo que seguia na direção oposta, um Astra branco, com placas de Montenegro, invadiu a pista contrária e atingiu a Biz frontalmente, parando cerca de 50 metros a diante do ponto de choque. A moto de Kellen ficou destruída e jogada no matagal ao lado da estrada, que não possui acostamento.

Com a frente destruída, o carro foi abandonado sem a chave. O condutor não prestou socorro e desapareceu logo após o acidente. Além disso, ele não possuía habilitação. Uma moradora de Campo do Meio relatou ao Jornal Ibiá que, minutos antes, encontrou com o Astra, que estava em alta velocidade, e que somente não foi atingida porque desviou para fora da pista. “Uma coisa que nos chateou muito foi quando o acusado falou que era totalmente inocente, ele não assumiu o erro que cometeu. Ele disse que estava do lado certo e que ela vinha na contramão, negou ter bebido. Ele confessou que não tinha habilitação, isso não tinha como negar. Várias pessoas testemunharam contra ele e ninguém a favor”, acrescenta o pai da jovem, Marton Bock.

Deixe seu comentário